Vereador é preso por cobrar propina para liberar corpos do IML

A Polícia Civil e o Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro fazem terça-feira ( 8) uma operação contra esquema de corrupção no Instituto Médico Legal (IML) de Campo Grande, na zona oeste da cidade. Os policiais cumpriram mandados de prisão contra o vereador do Rio Dr. Gilberto, o diretor-geral do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, Sérgio William Silva Miana, e o chefe do posto de polícia técnica de Campo Grande, Franklin Silva da Paz.

Os policiais também cumprem mandados de busca e apreensão na casa dos acusados e na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Os três foram denunciados por associação criminosa e concussão, que é o uso de sua função pública para exigir vantagem indevida.

Segundo investigações da Polícia Civil, eles são acusados de envolvimento com um esquema fraudulento, desde 2014, que usava empresas funerárias e hospitais da região. As funerárias pagavam propinas aos três acusados para preparar os cadáveres dentro do IML antes do funeral, prática que é proibida.

Para aumentar o lucro do esquema, alguns hospitais enviavam corpos para o IML mesmo sem necessidade, isto é, pessoas que tiveram morte natural e insuspeita.

As investigações mostram que até funcionários terceirizados, contratados originalmente para manutenção e limpeza do prédio, faziam o trabalho de auxiliares de necropsia, ajudando na lavagem, arrumação, preenchimento e maquiagem dos cadáveres para entregá-los preparados, dentro dos esquifes.

O esquema, segundo o o Ministério Público, causava prejuízos aos cofres públicos, devido ao grande número dessas autópsias desnecessárias. De acordo com o MP, o IML de Campo Grande apresenta, estatisticamente, um número de atendimentos por morte natural extraordinariamente superior ao número de perícias por morte violenta.

A Agência Brasil entrou em contato com o gabinete do vereador Dr. Gilberto na manhã de hoje, mas não havia ninguém no local. Com informações da Agência Brasil.

ver mais notícias