Meningite - Topo Postagem

Tabela do PCC revela que facção usa espionagem para matar PMs em SP

Policiais encontraram uma planilha no computador de um membro do PCC (Primeiro Comando da Capital) que mostra a organização da facção criminosa para matar policiais e agentes penitenciários de São Paulo.

Em uma dessas tabelas, os criminosos reservam R$ 150 mil para essa operação. Do total deste valor, pouco mais de R$ 133 mil já tinham sido gastos no monitoramento da rotina de um policial militar e dois carcereiros do sistema penitenciário paulista.

“É possível perceber os altos gastos com telefones, celulares, viagens, hospedagem, aquisição de veículos e de equipamentos de informática, tudo para pôr em prática e executar a tal ‘sintonia da inteligência'”, afirma em denúncia oferecida à Justiça o promotor Lincoln Gakiya.

Para a polícia, a intenção dos criminosos era simular latrocínios durante o assassinato dos agentes públicos. Com a prisão dos suspeitos pela polícia, o plano foi interrompido antes de ser posto em prática.

Em abril de 2017, uma reportagem da ‘Band’ revelou que um dos suspeitos envolvidos na quadrilha chegou a fazer um curso de detetive particular. Os investigadores descobriram que os criminosos usavam ‘técnicas de inteligência’ para levantar informações dos alvos.

No computador apreendido, a polícia encontrou fotos, mapas e informações sobre os alvos do PCC. Os criminosos sabiam inclusive que um deles estava em processo de divórcio da companheira.

“Este grupo é formado por criminosos mais qualificados e que contam com a confiança com a cúpula do PCC. Eles usam técnicas de inteligência para cumprir as missões ordenadas pela facção”, explica Gakiya.

ver mais notícias