Quadrilha usava nome de crianças mortas para fraudar INSS

A Polícia Federal e a Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda deflagraram nesta quarta-feira (13) a Operação Álibi, que tem por objetivo desarticular um grupo criminoso dedicado a fraudar a Previdência Social.

Foram cumpridos oito mandados judiciais de prisão, sendo dois de prisão preventiva e seis de prisão temporária, além de cinco mandados judiciais de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais (cidade de Betim), Bahia (cidades de Nova Viçosa, Teixeira de Freitas e Porto Seguro) e Rio de Janeiro (capital).

Durante as investigações, descobriu-se que a quadrilha “recriava” pessoas que haviam falecido na infância. Em nome dos adultos fictícios, seriam realizados alguns recolhimentos à Previdência Social, sempre em valores próximos ao teto de contribuição, criando, assim, a condição de segurados. Posteriormente, seriam simulados os falecimentos dessas “pessoas”, quando, então, seriam requeridos os respectivos benefícios de pensão por morte perante o INSS.

O prejuízo já causado pela quadrilha aos cofres da União ultrapassou a cifra de R$ 2 milhões. Com a desarticulação do grupo criminoso e a suspensão dos benefícios por ele fraudados, evitou-se um prejuízo futuro aos cofres públicos de aproximadamente R$ 15,6 milhões.

Os mandados judiciais de prisão foram cumpridos em sua totalidade, com três presos em Teixeira de Freitas, dois presos em Nova Viçosa e um preso em cada uma das cidades de Rio de Janeiro, Porto Seguro e Betim.

Um advogado figurava entre os líderes dos investigados, que responderão perante a Justiça por formação de quadrilha e por reiterada prática de estelionato em detrimento da Previdência Social, crimes com penas que ultrapassam dez anos de prisão. Com informações da Comunicação Social da PF em Belo Horizonte/MG.

ver mais notícias