Manaus – A fábrica da Samsung situada no Polo Industrial de Manaus divulgou nesta terça-feira (24) que vai interromper as atividades até o dia 29 como medida de prevenção ao novo coronavírus. Os funcionários, segundo informado por meio da assessoria de imprensa, serão afastados com licença remunerada.

A decisão de interromper a linha de produção deve afetar cerca de 7 mil funcionários, entre diretos e terceirizados (como alimentação, transporte, limpeza), segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal), Valdemir Santana. A assessoria da Samsung não confirmou o número de funcionários que terão licença.

Por meio de nota, a Samsung comunicou que as equipes que trabalham nos escritórios em São Paulo e Campinas estão trabalhando em casa desde segunda-feira (23).

Outras empresas seguem a mesma linha para combater o Corona Virus

A Moto Honda e BMW também anunciaram fechamento. 

Moto Honda vai parar a maior fábrica de motos do país, em função da pandemia do covid-19

A Moto Honda e BMW informaram nesta terça-feira (24) que vão paralisar a produção de motocicletas no Brasil em função da pandemia do Covid-19.  As atividades nas duas fábricas, localizadas em Manaus, serão suspensas até abril.

No caso da Honda, que possui quase 80% do mercado, e tem a maior fábrica de motos do Brasil, a paralisação começa na próxima sexta-feira, 27 de março, e com previsão de retorno em 20 de abril.

De acordo com a Honda, entre 27 e 30 de março, os funcionários vão usar o banco de horas para compensar os dias não trabalhados. A partir do dia 30, entrarão em férias coletivas.

A empresa ainda informou que vai direcionar “o maior número possível de profissionais das áreas administrativas para férias coletivas ou regime de home office”.

A fábrica de Manaus, inclusive, é a maior do tipo no país. Ela foi inaugurada em 1976, e, recentemente, alcançou o marco de 25 milhões de unidades produzidas.

Em todo o Brasil as empresas seguem fechando e dando férias coletiva para seus colaboradores, veja; 

Mais empresas decidiram paralisar operações a partir desta semana em decorrência do avanço da pandemia da covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Em alguns casos, as companhias concederam férias coletivas aos funcionários.

Dasa, maior rede de medicina diagnóstica do país, vai fechar temporariamente 287 unidades a partir de hoje. Com isso, permanecerão abertos 450 laboratórios. O fechamento é devido ao baixo movimento nas cidades e à necessidade de isolamento para evitar que a covid-19 se alastre.

CVC suspendeu em todas as suas unidades as programações de viagens do período de 21 de março a 10 de abril.

A BK Brasil, operadora do Burger King e Popeyes, anunciou que, a partir de hoje, as lojas funcionarão apenas para entrega, drive-thru e viagem no Brasil.

Guararapes fechou todas as lojas da Riachuelo desde sábado, por tempo indeterminado.

Multiplan suspendeu temporariamente as operações de shopping centers localizados em Canoas (RS), em Curitiba, em Jundiaí (SP), e em Ribeirão Preto (SP) no fim de semana.

Iguatemi informou em comunicado que, atendendo recomendação do governo do Estado de São Paulo, suspendeu desde sábado o atendimento de lojas dos shoppings em Sorocaba (SP), São Carlos (SP), Ribeirão Preto (SP) e São José do Rio Preto (SP).

A administradora de shoppings BR Malls anunciou a suspensão das operações dos shoppings centers de seu portfólio a partir de hoje (23).

Os serviços de delivery, no entanto, serão permitidos nos shoppings onde o poder público não restringiu essa atividade. Por fim, a empresa disse que segue as melhores práticas para evitar a proliferação do covid-19.

Férias coletivas

Vulcabras decidiu paralisar todas as fábricas e escritórios, em decorrência da pandemia da covid-19. Toda a companhia permanecerá em férias coletivas por 21 dias, contados a partir da próxima segunda-feira, com exceção de alguns departamentos essenciais que trabalharão de forma remota e com equipe reduzida.

Karsten tomou uma decisão parecida e concedeu 15 dias de férias a parte de seus funcionários. A exceção, segundo a companhia, será para trabalhadores cuja função possa ser exercida em casa e seja considerada essencial para manter a capacidade mínima necessária de funcionamento.

Com 6 mil funcionários no Brasil, a Toyota decidiu dar férias coletivas ao pessoal de produção de suas quatro fábricas no país e manter a equipe administrativa em trabalho remoto. As férias na Toyota serão entre os dias 24 de março e 6 de abril e envolvem as unidades de São Bernardo do Campo, Porto Feliz, Indaiatuba e Sorocaba, todas no Estado de São Paulo.

Em Araquari, Santa Catarina, a BMW também paralisará a produção de sua fábrica entre 30 de março e 22 de abril. No caso da BMW, a dispensa dos operários se dará por férias coletivas, banco de horas e folgas. A empresa manterá, por enquanto, a produção de motocicletas em Manaus.

A gaúcha Kepler Weber, de silos e armazéns, anunciou uma série de medidas, dentre elas férias coletivas nas unidades fabris de Panambi (RS) e Campo Grande (MS) pelo prazo de 20 dias, contados a partir de hoje, visando preservar a saúde de seus colaboradores e informou que, até o momento, nenhum funcionário foi testado positivo para o novo coronavírus.

Magazine Luiza

O Magazine Luiza anunciou o cancelamento das assembleias gerais ordinária extraordinária previstas para 9 de abril, devido à pandemia de coronavírus. A companhia também anunciou o fechamento de todas suas lojas físicas.

A varejista ainda não determinou uma nova data para realização das reuniões com os acionistas.

Desde o início da crise no país, o Magazine Luiza instalou um comitê de contingência, que se reúne diariamente. Boa parte da equipe administrativa está trabalhando em regime remoto e viagens e eventos foram suspensos.

Arezzo

A Arezzo & Co. dona das marcas Arezzo, Anacapri, Alexandre Birman, Schutz, Alme, Fiever e Vans (esta última, no Brasil), decidiu reduzir em 30% os salários do presidente, Alexandre Birman, dos diretores executivos e conselheiros. A medida faz parte dos esforços da companhia para tornar a operação adequada ao cenário de pandemia de covid-19. A companhia estruturou um comitê de crise, formado por membros da administração, que definiu ações de contingência para a empresa. Como parte das medidas, a Arezzo adotou trabalho remoto desde o dia 16, com antecipação de férias e uso de banco de horas para empregados cujas atividades podem ser feitas de casa.

A Arezzo também suspendeu as atividades das fábricas a partir de hoje (dia 23), concedendo férias coletivas aos funcionários. Para as redes de franquias, a Arezzo vai alterar prazo de pagamentos de royalties e reduzir o volume de entrega de produtos nas lojas, considerando a retração esperada na demanda. Em contrapartida, a empresa informou que vai apoiar a migração das vendas físicas para o comércio eletrônico, como o envio de códigos de descontos pelos vendedores digitais para suas clientes comprarem on-line, com comissão para o vendedor e a loja de franquia.

A Arezzo informou ainda que trabalha para reduzir as despesas no Brasil e nos Estados Unidos. A empresa reavalia o plano de investimentos para o ano, para preservar o seu caixa. Ainda com o objetivo de fortalecer o caixa, a empresa fará captação de dívida bancária “em custo favorável”, informou em comunicado, sem dar mais detalhes.

MRV

O conselho de administração da MRV aprovou um programa para recomprar até 15 milhões de ações, o equivalente a 5,1% da quantidade de papéis em circulação. O programa terá duração de 18 meses, com fim marcado para 15 de setembro.

Copasa

O conselho de administração da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) aprovou a distribuição de R$ 45,4 milhões em juros sobre capital próprio (JCP), referentes ao primeiro trimestre de 2020. Terão direito aos proventos os acionistas com posição em 25 de março.

Romi

O conselho de administração da Indústrias Romi aprovou a contratação de dois empréstimos para capital de giro, nos montantes de até R$ 15 milhões e R$ 12,2 milhões.

Dimed

Os acionistas da Dimed, distribuidora de produtos farmacêuticos e dona da rede Panvel, aprovaram o desdobramento das ações ordinárias e preferenciais na proporção de 30 para uma, sem qualquer alteração no valor do capital social da companhia. A medida foi aprovada por unanimidade.

Renova

A Renova Energia aceitou a oferta vinculante apresentada pela ARC Capital, com a G5 Administradora de Recursos e a XP Vista Asset Management de financiamento para a conclusão das obras do Complexo Eólico Alto Sertão III – Fase A.

Balanços

Eneva Vivara divulgam os resultados hoje, após fechamento do mercado. Maestro e Stara também apresentam balanços, sem horário definido.

A operadora de plano de saúde Hapvida adiou de 23 para 25 de março a divulgação de suas demonstrações financeiras.

Vale

A Vale divulgou que 21 das 25 recomendações apresentadas no relatório final do Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração (CIAE-A) já vinham sendo tratadas pela empresa através de ações para o aprimoramento de controles internos.

Segundo ela, 95% das ações estarão concluídas até o fim de 2020 e todas devem ser finalizadas até dezembro de 2022.

Aéreas

A TAP vai reduzir temporariamente a oferta de voos para o Brasil de 75 frequências semanais para três, sendo dois voos por semana de Lisboa a São Paulo e um de Lisboa ao Rio.

A Copa Airlines vai suspender todas as suas operações a partir de hoje até 21 de abril. O governo do Panamá decretou a proibição de todos os voos internacionais de passageiros, a partir das 23h59, do próximo domingo, 22 de março, até 21 de abril de 2020, como proteção contra a pandemia de covid-19.

IRB

O IRB informou que Lúcia Maria da Silva Valle foi destituída do cargo de vice-presidente executiva de riscos e conformidade. Ela será substituída por Wilson Toneto, que foi CEO da Mapfre, e presidente do Conselho de Administração do Grupo Segurador BB e Mapfre. A decisão foi do conselho de administração do ressegurador.

Lúcia Maria era participante do programa de superação do IRB, que iria conferir R$ 61 milhões a três executivos se as ações da empresa dobrassem de valor em três anos. Os outros dois beneficiários eram José Cardoso e Fernando Passos, ex-presidente e diretor financeiro, que deixaram a empresa no início do mês depois que o Berkshire Hathaway negou que estivesse comprando ações do IRB.