Amazonas – O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta segunda-feira (26/8) as supostas intenções que estariam por trás da ajuda logística e financeira oferecida pela cúpula do G7, para combater as queimadas na Floresta Amazônica.

Os líderes do grupo – formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido – concordaram em liberar 20 milhões de euros (cerca de R$ 91 milhões) para ajudar a conter as chamas, segundo anúncio feito nesta segunda-feira.

De acordo com o presidente francês, Emmanuel Macron, anfitrião da cúpula, os fundos serão disponibilizados “imediatamente” – principalmente para enviar aviões de combate a incêndio.

  • ‘Tivemos que correr do fogo’: avanço de chamas em Rondônia surpreende equipe da BBC
  • Ação de Bolsonaro alimenta tese de que Amazônia é ‘bem comum’, dizem brasilianistas
  • Queimadas disparam, mas multas do Ibama despencam sob Bolsonaro

Após o anúncio, Bolsonaro deu a entender que o G7 queria algo em troca por ajudar a Amazônia:

“Macron promete ajuda de países ricos à Amazônia. Será que alguém ajuda alguém, a não ser uma pessoa pobre, né, sem retorno? Quem é que está de olho na Amazônia? O que eles querem lá?”, disse à imprensa ao deixar o Palácio da Alvorada.

Fonte: BBC