Na escola, Temer tinha dificuldades com Matemática - Portal CM7
 
Manaus, 16 de dezembro 26 ºC Tempo nublado
Mercado financeiro
DólarR$ 3,308 -0,85%
EuroR$ 3,8734 -1,7%
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Na escola, Temer tinha dificuldades com Matemática

Na escola, Temer tinha dificuldades com Matemática

Da redação | 13/05/2016 05:20

TIETÊ (SP) — Desenho e canto não eram o forte do presidente em exercício Michel Temer quando cursava a primeira série do ginasial na Escola Estadual Plínio Rodrigues de Morais. Foi obrigado a fazer “recuperação” depois de tirar notas 3,1 e 3,4 nas duas disciplinas, respectivamente, em uma escala que ia de zero até dez. Números também não eram o forte do aluno. Na segunda e na terceira série, tirou 4,6 e 5,8 em Matemática. Na média geral dos quatro anos de ginásio, bom mesmo, só os registros das notas em Inglês (8,6), Francês (8) e trabalhos manuais (7,6). Na rigorosa e tradicional Escola Plínio, no Centro de Tietê, Temer era um aluno mediano, com notas entre 5 e 6.

MICHEL TEMER: O homem (quase sempre) cordial

O prontuário completo do presidente em exercício, mês a mês, está exposto em um quadro com moldura de prata em cima do piano no antigo salão nobre da escola. A placa foi inaugurada em março deste ano em cerimônia no dia do aniversário da cidade e com a presença do filho ilustre, que admitiu dificuldades com as “ciências exatas”. Nem a passagem relâmpago pela cidade, a poucos meses da chegada à cadeira de presidente, foi suficiente para animar os conterrâneos com a expectativa de poder. Durante a votação do impeachment no Senado, não houve reunião em bar para assistir à sessão ou telão na principal praça da cidade. O clima foi de indiferença até entre os amigos.

— Ah, nem liguei a TV, é muito cansativo. À noite vejo um resumo — brincou o amigo de infância James Milanelo, de 74 anos, dono de uma loja de automóveis e vinhos.

Mas o senhor não fica ansioso para assistir à ascensão do amigo à Presidência?, perguntou O GLOBO.

— E alguém duvidava que ela iria cair? — devolveu Milanelo, que se lembra como se fosse ontem a inauguração do salão — que hoje abriga a placa em homenagem a Temer —, na época em que eram colegas de escola, e que ainda conserva o palco forrado de tábua corrida e as cadeiras de madeira da plateia.

LINHA DO TEMPO: A trajetória de Michel Temer

Aliado número um do presidente em exercício, o prefeito da cidade, Manoel David Carvalho (PSD), viajou a Brasília para participar de encontro de prefeitos e, de que quebra, fazer uma visita ao Palácio do Jaburu no dia histórico. Estava ao seu lado na posse dos novos ministros. E explicou porque não marcou nenhuma festa em Tietê:

— Comemoração com trio elétrico, como se fosse Copa do Mundo, só depois que este processo acabar. Agora, ele será presidente por um período específico, é como se Dilma estivesse fora do país. Depois, quando unir o Brasil e este processo for definitivo, será diferente — afirmou o prefeito, em discurso “a la Temer”:

— Sem contar que se eu fizer isso agora, ele me mata — brincou.

Às 7h06m de quinta-feira, o prefeito disparou para os contatos do WhatsApp um “bom dia” com cinco pontos de exclamação e a mensagem: “Tietê, Cidade número 1 da República!”. No início da tarde, antecipou o pontapé do novo governo: “acalmar o mercado e resolver a Previdência!”

Filha de Tamer, o mais velho entre os oito irmãos do presidente em exercício (apenas um permanece vivo), a sobrinha Cleusa Maria Tamer, de 65 anos, reclama que “a cidade não é receptiva ao tio Michel, nem reconhece seu empenho”.

— Não sei o que acontece, talvez seja porque ele é muito reservado.

Em meio à negociação com o neto de 7 anos, fã de desenhos, pela posse do controle remoto para assistir à votação do impeachment, ela se queixou do excesso de holofotes sobre o tio:

— A gente lê notícias onde escrevem que ele é figura gótica, lembra mordomo de filme de terror. É algo que não tem nada a ver com a situação, mas é o preço que paga.

Para Cleusa Maria Tamer, é triste “pensar que a primeira mulher presidente do Brasil sofreu um revés”. Mas ela lembra que “cometer deslizes é humano”, e que “assumi-los é algo que devemos ter em vista:

— Eu não gostaria de estar vendo isso. O Brasil tem tudo para ser destaque no mundo, e agora tem que dar este passo para trás. O povo não merecia isso. No entanto, é nossa realidade.

A sobrinha diz lamentar “por toda situação” do tio, em especial pela “herança do antigo governo” e “todo o peso que ele agora carrega nas costas:”

— Quem determina os caminhos é Deus. Que ele coloque suas mãos nas cabeças dos que nos lideram e do nosso povo.

O BOLETIM DE MICHELZINHO

3,5

Nota de abril: Matemática — Aluno sofreu com os números

10

Nota de maio: Latim — Disciplina com melhores notas

8,1

Nota final: Francês — Interesse em línguas

7,0

Nota final : História Geral — Aproveitamento mediano

8,5

Nota final: Inglês — Boas notas na disciplina

7,1

Média em História do Brasil — Desempenho regular

5,3

Média em Ciências Naturais — Aluno mostrava dificuldades

5,6

Nota final: Geografia — Precisava estudar mais

5,4

Nota final: Português — Afinidade só com outras línguas

{{post.date}}

 


Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA