Luiza Brunet, de 58 anos, pretende recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), divulgada nesta sexta-feira (21), que entendeu que a ex-modelo não tem direito à metade do patrimônio do ex, o empresário Lírio Parisotto, de 66 anos, que foi o 2º suplente do senador Eduardo Braga (MDB) em seu primeiro mandato de 2010 a 2018.

“Pontos cruciais para o reconhecimento da união estável não foram levados em conta pelo Tribunal de Justiça. No momento oportuno será apresentado o recurso no Superior Tribunal de Justiça. Se perde a batalha, mas a luta continua. Posso dizer que eu e ele sabemos o que foi vivido entre 2011 e 2016″, escreveu Luiza em publica no Instagram.

A decisão foi comemorada pela defesa do empresário. Luiz Kignel, do PLKC Advogados, sustenta que o cliente e a modelo mantinham, apenas, um namoro. “A tese foi derrubada pelo Tribunal por 3 votos a zero, que entendeu, acertadamente, que o casal mantinha apenas uma relação de namoro”.

Luiza movia processo para comprovar união estável e ter direito à metade dos bens adquiridos por ele durante o período em que se relacionaram, de 2011 a 2016. Entretanto, esta é a segunda derrota da ex-modelo. Em maio de 2018, o mesmo tribunal considerou improcedente o pedido.

Entretanto, esta é a segunda derrota da ex-modelo. Em maio de 2018, o mesmo tribunal considerou improcedente o pedido.

Violência doméstica

Em 2016, a ex-modelo revelou ter sido vítima de violência de Lírio Parisotto durante viagem dos dois a Nova York, nos Estados Unidos.

Na ocasião, de acordo com Luiza, o então marido a chutou e quebrou quatro de suas costelas, além de ter dado um soco no olho.

No ano seguinte, Lirio foi condenado a um ano de prestação de serviços à comunidade por conta das agressões.

À época, Lirio usou as redes sociais para se defender das acusações: “A suposta lesão em NY, foi considerada leve, ou seja, a menor possível, mas ainda assim não condiz com os fatos”.

Fonte: R7