Expressões chulas de grampos telefônicos de Lula reproduzem preconceitos - Portal CM7
 
Manaus, 17 de dezembro 26 ºC Tempestades isoladas
Mercado financeiro
DólarR$ 3,308 -0,85%
EuroR$ 3,8734 -1,7%
 
 
Home / Últimas Notícias / Brasil / Expressões chulas de grampos telefônicos de Lula reproduzem preconceitos

Expressões chulas de grampos telefônicos de Lula reproduzem preconceitos

Da redação | 18/03/2016 06:20

RIO — Entre queixas e negociações, as ligações do ex-presidente e atual ministro Luiz Inácio Lula da Silva interceptadas pela Polícia Federal são recheadas de um linguajar que passa longe do politicamente correto. O ex-presidente perguntou onde estão “as mulher de grelo duro” do PT e brincou que a diretora do Instituto Lula, Clara Ant, acordou achando que era “presente de Deus” quando cinco homens entraram em sua casa — até descobrir que eram policiais federais. Em outra conversa, do outro lado da linha, o ministro Jacques Wagner, quando soube que a ex-petista Marta Suplicy foi vaiada durante o protesto na Avenida Paulista no último domingo, afirmou que “é bom pra nega aprender”. E, quando o prefeito do Rio, Eduardo Paes, pediu para que Lula deixasse de ter “alma de pobre”, o ex-presidente riu. Especialistas entrevistados pelo GLOBO acreditam que os telefonemas reproduzem fielmente preconceitos conhecidos e historicamente resistentes, mesmo em homens que, em público, exaltam a igualdade social e de gênero.

O uso da expressão “grelo duro” dividiu as redes sociais, entre os que a consideram pejorativa e outros que a veem como uma manifestação de força.

Professora titular de Sociologia da UFRJ, Bila Sorj lamenta a “visão comum” reproduzida no diálogo do ex-presidente.

— É um discurso depreciativo, com termos sexualizados para desqualificar as mulheres — acredita. — Existe uma vigilância social sobre este tipo de fala entre figuras públicas. Mas trata-se de uma ligação gravada entre dois homens. E acredito que o mesmo tom poderia ocorrer com muitas pessoas e em várias situações. Não se trata de algo específico do Lula.

Bila, no entanto, acredita que uma conversa como a do ex-presidente seria menos comum entre as gerações mais novas:

— O Lula tem 70 anos. Homens de sua idade usam esta linguagem sem nenhuma autocensura. Entre os jovens, seria menos frequente, ou pelo menos eles se sentiriam mais constrangidos. Aos poucos o comportamento da sociedade está mudando.

Escritora e ativista feminista, com mais de 17 mil seguidores no Facebook, Stephanie Ribeiro defendeu em sua página a expressão de Lula e lembrou as origens do ex-presidente: “Só lembrando que Lula é nordestino, e ‘grelo duro’ é uma expressão usada nessa região do país. E é no sentido de mulher porreta”.

Lúcia Helena Rincón Afonso, coordenadora Nacional da União Brasileira de Mulheres, condenou a ligação em que Lula conta que Marta Suplicy foi chamada de “puta”, provocando risos do ex-ministro Jacques Wagner, que retruca: “É bom pra nega aprender”.

— Isso mostra como o preconceito está internalizado, faz parte da fala do adversário — diz. — Pode causar má impressão para todo lado, o que mostra a importância de estudar a perspectiva de gênero.

O BRASILEIRO EM ESTADO NACIONAL

A fala de Lula sobre Clara Ant também pode ser vista como uma manifestação do machismo enraizado na sociedade brasileira, diz a pesquisadora da UnB e socióloga Ana Liési Thurler.

— No Brasil quase todo humor que se faz é sexista, racista, homofóbico. Ele nesta fala representa o brasileiro no estado mais natural, fez uma brincadeira que reflete a cultura machista brasileira — analisa. — O sexismo ainda está muito impregnado em nossa cultura, inclusive nos políticos de esquerda, que historicamente têm bandeiras relacionadas à igualdade de gênero. Ele não escapa de alguma dose de sexismo. Acho que não é o seu cotidiano, mas aponta para o machismo que ainda persiste.

Além do palavreado chulo por parte da população, outro diálogo gerou furor na opinião pública. A conversa aconteceu entre Lula e o prefeito do Rio, Eduardo Paes. Na fala, Paes critica a “alma de pobre” do ex-presidente e debocha de cidades do interior do Rio, como São Pedro da Aldeia, Araruama e Maricá. Para o sociólogo Paulo Baía, da UFRJ, as conversas carregam essa características — palavrões e piadas politicamente incorretas — por terem acontecido em foro íntimo e geram indignação por quebrar a expectativa das pessoas sobre a figura do homem público.

— As conversas que foram tornadas públicas trazem um toque coloquial e informal, ao mesmo tempo que manifestam desejos publicamente inconfessáveis — afirma. — O discurso tomou essa dimensão por ter vindo a público e por não ser o tipo de conversa que qualquer pessoa faz em público. Trata-se de algo que se faz entre quatro paredes e que, quando é exposto, entra em contato com o tato social.

Segundo ele, este conflito acontece porque se espera que os políticos tenham uma postura ética exemplar:

— As pessoas que ocupam cargos públicos ou são celebridades devem tomar muito cuidado nas conversas individuais, sobretudo políticos, porque há uma linha tênue que separa o que é privado do que é público. Em tese, agentes públicos não têm vida privada. A população espera deles um comportamento dentro de componentes éticos e morais aceitos pela sociedade.

{{post.date}}

 


Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA