A vida religiosa da deputada federal e pastora Flordelis (PSD-RJ) por muito tempo acobertou uma outra personalidade dela, alegam testemunhas que prestaram depoimento no inquérito do assassinato do pastor Anderson do Carmo de Souza, marido da parlamentar. Segundo depoimentos formais à Polícia Civil do Rio de Janeiro, Flordelis frequentava uma casa de swing. A informação é do jornal do SBT.

No depoimento, uma empresária de 32 anos contou que, durante um culto liderado pela pastora, uma supervisora reconheceu Flordelis como “a mulher que frequentava a casa de swing que eu frequento”. De acordo com a mulher, a deputada tinha “um quarto exclusivo” no local, algo que “era muito caro”.