A Divisão de Homicídios da Capital do RJ prendeu neste sábado (3) o pai e a madrasta de uma criança de 6 anos, que morreu nesta sexta-feira (2) após ter sido torturada.

Segundo um site de notícias do Globo, a menina chegou morta ao Hospital Naval Marcílio Dias, no Lins de Vasconcelos, Zona Norte do Rio. As graves lesões chamaram a atenção dos médicos, que acionaram a polícia.

Ainda no hospital, homens da UPP do Lins detiveram o pai, Rodrigo Jesus da França, de 25 anos, que confessou o crime. Ele admitiu que deixava Mel Rhayane Ribeiro de Jesus amarrada em casa.

Juliana Mayara Brito da Silva, a madrasta, negou ter batido na menina, mas foi presa em flagrante por omissão.

Mel Rhayane morava com o pai e a madrasta na comunidade da Cachoeirinha, no Lins. Vizinhos afirmam que Rodrigo chegou a atirar a filha de uma ribanceira.

Rodrigo e Juliana têm ainda dois filhos: uma de 2 anos e um bebê de 5 meses.

Peritos constataram diversas lesões no corpo de Mel Rhayane: a falta de um pedaço da orelha, lesões nas costas e úlceras no tornozelo e mãos.

Segundo a polícia, as úlceras mostram que a menina era constantemente amarrada e chicoteada. Os peritos também indicaram que as lesões são antigas. Mel Rhayane também apresentava sinais de desnutrição.

A criança foi inclusive retirada da escola para que os ferimentos não fossem notados, segundo a polícia.

À polícia, o pai explicou que mantinha Mel Rhayane presa e amarrada para corrigir um suposto comportamento sexual da menina. Ele contou que usava uma colher esquentada no fogo para agredi-la.

Segundo Rodrigo, o atual companheiro da mãe de Mel Rhayane, Fernanda, a estuprou. Desde então, deixava a filha escondida em casa e até a impedia de ver a meia-irmã.