Brasil – Uma adolescente de 17 anos foi assediada em um ônibus e denunciou o crime após encontrar as imagens do abuso em um site pornô. A adolescente, que mora em São José dos Campos, relatou o crime em suas redes sociais e viralizou. Ela também registrou queixa na Polícia Civil, que investiga o caso.

O post feito por Jai Silva, como ela se identifica no Twitter, tinha mais de 39 mil compartilhamentos até a tarde desta terça-feira. Na postagem, ela expõe o caso de assédio que sofreu e pede ajuda para que internautas denunciassem a página em que o vídeo foi postado, para que fosse tirado do ar.

A adolescente conta que o episódio aconteceu no dia 30 de novembro de 2019, quando pegava a linha 308 por volta das 13h. Jai afirma que o ônibus estava vazio, mas o homem se manteve em pé ao lado dela.

“Ele ficou do meu lado e percebi que ele aproximava a parte íntima, como que mostrando que estava excitado. Eu me senti incomodada e, quanto mais ele percebia, mais se aproximava. Só parou quando ameacei pegar meu celular para filmar”, conta a jovem, que pediu para não ter o nome revelado.

Depois que o homem deixou o coletivo, a adolescente conta que pensou em denunciar, mas sem o contato físico, apenas o constrangimento, ficou com receio de que não fosse levada a sério.

Nesta terça-feira (28), quando estava no ônibus que faz a mesma linha recebeu uma mensagem de um ex-colega dizendo que havia visto ela em uma imagem em um site de conteúdo pornográfico. Ao abrir o link, percebeu que as imagens foram feitas no dia do assédio.

Sem saber o que fazer para que a imagem fosse deletada, relatou o assédio sofrido na rede social e pediu que amigos ajudassem a denunciar a plataforma e o perfil do assediador, que usava um codinome.

O post viralizou e o vídeo acabou deletado da plataforma, mas ainda estava postado em outras páginas.

“O vídeo não tem nada que comprometa a minha moral. Mas é constrangedor ver a nossa imagem em uma página pornográfica e sem a nossa autorização. Eu sei que sou a vítima, mas o que as pessoas podem pensar quando virem aquilo? Eu estou com vergonha de voltar para a aula, de sair na rua”, comentou.

Jai esteve nesta manhã com o pai na Delegacia de Defesa da Mulher em São José dos Campos. O caso foi registrado como crime contra a dignidade sexual.

A Polícia Civil e a Secretaria de Segurança Pública informaram que nesta terça-feira (28) foram feitos dois boletins de ocorrência após mulheres denunciarem o caso. Serão instaurados inquéritos para a apuração dos crimes.

Fonte: G1