O corpo de uma mulher, de 57 anos, foi encontrado enrolado em um lençol e em avançado estado de decomposição dentro de sua própria casa, localizada no condomínio Villa Borghese, no bairro Copacabana, em Pampulha, Belo Horizonte (BH). A principal suspeita do crime, é a neta da vítima, de 17 anos, que continuava morando no local ainda na presença do cadáver da avó e sem acionar a polícia.

A Polícia Militar (PM) foi acionada até o condomínio de luxo pela filha da vítima, de 32 anos, por volta das 17h30, da última segunda-feira (26). A testemunha informou que há algum tempo vinha tentando contato com a mãe, mas sem obter sucesso. Assustada com a ausência, a mulher resolveu ir até a casa, que estava trancada.

A filha da vítima resolveu acionar um chaveiro. Foi então que conseguiu acessar. Conforme a PM, a filha contou que tentou abrir a porta e percebeu que havia uma lona amarela lacrando a entrada com pregos. Após arrancar os plásticos, ela encontrou a mãe, enrolada em um lençol, caída ao lado da cama, que estava toda manchada de sangue. 

A PM e a perícia da PC foram acionadas, constatando que o corpo já estava em avançado estado de decomposição, indicando que o crime teria ocorrido há pelo menos 20 dias. Uma faca, possivelmente usada no homicídio, foi encontrada próxima ao corpo. 

Investigação

Em conversa com moradores e funcionários do condomínio, os policiais descobriram que o odor que exalava da casa podia ser sentido desde o início do ano.

As testemunhas disseram que a vítima há muito não era vista, mas que todos viram a neta várias vezes na casa, em alguns momentos fazendo festas. O último evento promovido por ela teria ocorrido, de acordo com os vizinhos, há 15 dias, tempo onde a vítima já estaria morta dentro da residência. 

Os levantamentos iniciais da PM indicam diversos gastos nos cartões pessoais da vítima, que era viúva de um coronel da reserva e recebia pensão mensal de aproximadamente R$ 30 mil. Familiares tentaram contato com a suspeita, após a descoberta do crime, porém, ela não foi localizada. O corpo da mulher foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).