Esper Kallás, médico infectologista e titular de Imunologia Clínica e Alergia de Medicina da USP, publicou em sua coluna, ser contra a quarentena sem sintomas do coronavírus. Ele defende que o isolamento só deve ser feito por pessoas que possuem os sintomas descritos ao vírus.

De acordo com o infectologista, apesar da escassez de insumos e a dificuldade em logística no país, investimentos em testes para diagnóstico em larga escala seria positivo para frear a propagação do vírus no Brasil, pois assim seria mais rápido na identificação dos pacientes infectados.

Segundo Esper, esse modelo de teste funcionou em países como Cingapura, Coreia do Sul, Alemanha e Hong Kong, e são os países que apresentam as menores taxas de mortes relacionadas ao coronavírus.

Esper declara ser contra o fechamento das fronteiras, ele diz que além do impacto na saúde por conta do coronavírus, o Brasil sentirá outro impacto que será na economia, “não dá para parar tudo por muito tempo, num país que cerca de 40% das pessoas dependem do trabalho informal”, disse.

Durante a declaração, o infectologista fala sobre a preocupação dos matemáticos, apenas com o número de doentes, mas não se atentam para aqueles que não terão acesso á remédios no dia-a-dia, e nem dinheiro para comprar as necessidades básicas; “é preciso ter sensibilidade para a dificuldade e encontrar o momento, mais cedo possível, para restabelecer as atividades em escolas, empresas e mobilidade”, explica.

O médico informa que desde que se formou para ser infectologista, já passou por diversas epidemias, mas nunca imaginou uma pandemia como o Covid-19. Todos os profissionais que estão na linha de frente estão “assustados” com esse problema, mas todos estão exercendo suas funções com dedicação, “esses são os atuais Heróis da sociedade”, afirma.