Ter dor de cabeça nem sempre é algo simples e comum. O desconforto pode ser indício de uma enormidade de problemas, dos simples aos mais graves. Por isso, deve-se ficar atento as características dessas dores, como a intensidade, região, origem do incomodo e outros sintomas associados.

A cefaleia é o nome dado à conhecida dor de cabeça e sua causa está ligada a diferentes origens. “O cérebro por si só não possui receptores para a dor. A teoria mais relevante para explicar dores na cabeça relaciona a cefaleia tensional, por exemplo, com a musculatura da região próxima à cabeça”, diz Julio Pereira, neurocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

“Já enxaqueca, por outro lado, seria motivada por acometimentos nos vasos sanguíneos e, por isso, a dor é pulsátil. Existe também uma vertente que liga os neurotransmissores com a dor”, explica sobre diversos tipos de dores na cabeça.

Dor de cabeça do lado esquerdo ou direito, na frente ou atrás:

De acordo com o neurocirurgião, a dor no lado esquerdo ou direito da cabeça não é indicativo de patologias específicas do organismo, ou seja, o lado onde a dor ocorre não importa do ponto de vista do diagnóstico. Já a diferenciação entre o acometimento na parte frontal ou posterior da cabeça é um fator a ser observado.

Características da dor de cabeça e suas causas

Cefaleia primária

A cefaleia primária refere-se à dor de cabeça por si só. Neste caso, ela é, ao mesmo tempo, enfermidade e sintoma. “A dor de cabeça primaria é uma doença benigna. A mais clássica é a enxaqueca”, explica Pereira. Além da enxaqueca, há também a cefaleia tensional e a cefaleia em salva (conhecida também como cluster headache).

A enxaqueca é um distúrbio neurovascular muito comum de aparecer a partir da adolescência. Ela é caracterizada por ser unilateral (acomete apenas um lado da cabeça), provocar uma dor latejante de intensidade média a forte e causar náuseas, vômitos, fotofobia, fonofobia, sensibilidade a movimento e irritabilidade. Há enxaquecas que duram três horas, outras, 72 horas e algumas podem ultrapassar mais de duas semanas de crise de dor.

A cefaleia tensional é a mais comum entre as dores de cabeça primárias e pode ser aguda ou crônica. Ela resulta da tensão muscular cervical e ao redor do crânio. A dor é similar a um peso ou aperto, é bilateral e de intensidade leve ou moderada. Manifesta-se na nuca, testa ou na parte de cima da cabeça e pode durar de meia hora e sete dias por semana.

A cefaleia em salva é do tipo pulsátil, ocorre na região têmporo-frontal, na face ou no fundo dos olhos. É de intensidade muito forte, pode provocar congestão nasal e ocular (quando os olhos ficam vermelhos e lacrimejantes). Sua frequência é, geralmente, de uma crise de dor a três por dia, em períodos que duram de duas semanas até três meses.

Cefaleia secundária

No caso da cefaleia secundária, a dor de cabeça aparece como sintoma de outros quadros de saúde, desde sinusite, gripes e resfriados, doenças um pouco mais complexas como a meningite, até doenças neurológicas complexas, como tumores cerebrais e aneurismas. A duração e intensidade das dores variam conforme o tipo e o tratamento das enfermidades.

Tumores e aneurismas

Quando a cefaleia é secundária, alguns critérios são utilizados pelos médicos durante a investigação das possíveis causas para a dor do paciente – especialmente em casos envolvendo suspeita de câncer no cérebro e rompimentos de vasos do órgão.

No caso do segundo, “a dor é muito intensa e é descrita como ‘a pior dor de cabeça da minha vida’ por quem a sente. O incômodo também vem associado a outros problemas neurológicos, como problema na visão, na fala e fraqueza”, detalha o neurocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Ainda segundo o médico, a dor de cabeça causada pelo aneurisma costuma aparecer do nada e ser extremamente forte, enquanto a provocada por tumor vem aos poucos e sua intensidade é progressiva.

“No caso do aneurisma, a sensação é semelhante a uma explosão na cabeça, pois a artéria se rompe. É uma dor muito diferente de qualquer uma que a pessoa já sentiu. Dói a cabeça inteira. O tumor, diferente do aneurisma, cresce paulatinamente. Por isso, é uma dor que vai progredindo. Às vezes, ele comprime um vaso do cérebro e ocorre perda da força do braço ou da minha visão.”

Outros problemas de saúde

Inúmeras outras enfermidades incluem a cefaleia como um dos sintomas principais. A tensão, por exemplo, gera dor na nuca; gripes podem causar dor de cabeça frontal, além de “olhos pesados”; a sinusite gera, além da cefaleia, dor no centro do rosto; vista cansada pode ser identificada por uma sensação de aperto na parte da frente da cabeça em média intensidade, geralmente no fim do dia ou após período de leitura prolongada; e assim por diante.

Desta forma, o ideal é consultar um médio sempre que a dor for anormal, prolongada ou muito forte para identificar sua origem.

Como tratar

O tratamento mais comum para as cefaleias – primárias ou secundárias – é a administração de remédios com o intuito de encerrar as crises de dor, o que deve ser indicado por um médico. Dentre eles, há uma categoria de remédios pouco conhecida que pode ajudar na prevenção das crises de dores de cabeça – especialmente nos casos de cefaleias primárias. “Se as crises são muito intensas, ou se passam de três a quatro vezes por mês, existe a indicação de profilaxia da dor com o uso de neurorremédios”, explica Pereira.

Pereira recomenda que, em casos de dores de cabeça, o ideal é que um médico seja procurado a fim de que seja investigado as causas da cefaleia e seu devido tratamento, já que é necessário estudar, no caso das cefaleias secundárias, por exemplo, se a dor está progredindo e por que, dentre outros fatores.

Fonte: Vix