O início de janeiro no calendário traz para a agenda esportiva a Copa São Paulo de Futebol Júnior, que começará nesta quinta-feira com a realização de oito jogos. Para esta temporada, a grande novidade é a transmissão de 100% das partidas do torneio, esvaziado pela desistência de última hora do Flamengo.

Organizadora da competição, a Federação Paulista de Futebol (FPF) conseguiu o apoio de Facebook, Grupo Globo, Mycujoo, TV Cultura e Rede Vida, garantindo que todos os jogos possam ser acompanhados ao vivo.

O formato da competição é o mesmo desde 2018, só que a diferença está no número de participantes. Após a conquista da Libertadores, o Flamengo optou por utilizar a maior parte de seu elenco sub-20, que já estava inscrito na Copa São Paulo, nos primeiros jogos do Campeonato Carioca, em função das férias para o elenco principal.

Assim, com o prazo para troca dos nomes já encerrado, o clube rubro, que pretendia utilizar os garotos do sub-17, ficou de fora do certame, deixando o Grupo 25, com sede em Diadema, com três participantes. Dessa forma, serão 127 times buscando o título, contra 128 das duas últimas edições.

jogos únicos. A grande decisão, como usual, será em 25 de janeiro, data na qual é celebrada a fundação da cidade de São Paulo. Em 2020, o Pacaembu será palco do grande duelo.

HISTÓRICO

A data, aliás, está intimamente ligada à criação da Copa São Paulo, em 1969. A Secretaria de Bem Estar Social e do Departamento Municipal de Esportes, por conta do 415° aniversário de São Paulo, resolveu criar atividades esportivas, e o futebol esteve incluído.

Entretanto, como os jogadores profissionais estavam de férias, optou-se por realizar uma competição juvenil, a qual acabou sendo disputada apenas por clubes paulistanos, Corinthians, Juventus, Nacional e Palmeiras.

Assim, em 25 de janeiro de 1969, no Centro Esportivo Educacional de Vila Nova Manchester, a equipe do Parque São Jorge derrotou o Nacional, por 1 a 0, e se sagrou campeão da primeira edição da Copa São Paulo.

GANHANDO CORPO

Já na temporada seguinte, a Prefeitura liberou que times do Estado de São Paulo pudessem participar. Dessa forma, em 1970, o quadrangular, vencido novamente pelo Corinthians, contou com o Santos, enquanto o Nacional ficou de fora da disputa.

Um marco para a história da competição é 1972, ano seguinte à abertura da competição para clubes de fora de São Paulo. Afinal, foi naquela temporada que o meio-campista Paulo Roberto Falcão se destacou pelo Internacional. O campeão, porém, acabou sendo o Nacional.

Ao longo do tempo, a competição passou mudanças Nascida como torneio juvenil, se tornou júnior apenas em 1981. Além disso, entre 2010 e 2012, foi disputada apenas por atletas sub-18. Desde 2013, porém, voltou ao antigo formato, aceitando jogadores com até 20 anos.

DESAFIO

De 1969 para cá, a Copa São Paulo ganhou força, recebeu a alcunha de “principal competição de base do País” e passou a ter concorrência de outras competições Sub-20, como o Brasileiro, a Copa do Brasil, a Supercopa do Brasil e a Copa Ipiranga, no Rio Grande do Sul.

Nesses mais de meio século de competição, ela só não ocorreu apenas uma vez – em 1987. Na ocasião, o então prefeito paulistano, Jânio Quadros, optou por não realizá-la por conta de impasses administrativos. Desde 1988, a FPF passou a participar de sua organização – atualmente, inclusive, é a única responsável pela competição.

LISTA SELETA E DEMOCRÁTICA

O atual campeão da Copa São Paulo é o São Paulo, que soma quatro títulos, mesmo número de Internacional e Flamengo. O maior vencedor, no entanto, é o Corinthians, com 10, seguido de longe pelo Fluminense, com cinco, e na “fila” desde 1989.

Santos e Atlético, com três, e Ponte Preta, Nacional e Portuguesa, com dois, também se destacam. Juventus, Cruzeiro, Guarani, Vasco, América-SP, América, Paulista, Roma Barueri, Marília, Santo André e Figueirense completam o seleto, mas democrático, grupo dos clubes que já faturaram a Copa São Paulo.