PRIMEIRO TEMPO
O São Paulo foi melhor no primeiro tempo. Teve mais posse e o domínio territorial, jogando no campo do Colón. O time argentino procurou se fechar e explorar os contra-ataques. Emplacou só dois, nenhum com muito perigo. A melhor chance de gol foi do São Paulo, com Nenê, de falta, acertando a trave aos 19 minutos. Nenê, aliás, foi o líder do time em campo. Liziero e Gonzalo Carneiro, a surpresa na escalação, também foram bem. Araruna, porém, destoou na lateral direita, com passes errados e faltas bobas. Foi o único tricolor, aliás, a receber cartão amarelo na etapa inicial.

SEGUNDO TEMPO
O São Paulo voltou com duas mudanças: Aguirre tirou Araruna e Lucas Fernandes, os dois piores em campo, e colocou Bruno Peres e Everton. O time ficou mais ofensivo. Mas também deixou mais espaços para contra-ataques. Jean fez boa defesa em chute de Heredia à queima-roupa, aos 14. Mas o São Paulo continuava melhor. Aos 22, Everton quase aproveitou um vacilo da zaga argentina para marcar um belo gol por cobertura – Godoy tirou em cima da linha. Quatro minutos depois, o golaço: Liziero pegou a sobra de um escanteio e, de fora da área, acertou um petardo de primeira. Na sequência, porém, Liziero sentiu uma lesão e saiu de maca. Como Aguirre já havia feito as três substituições, o volante ficou em campo apenas fazendo número. Mesmo assim, o Tricolor continuou melhor em campo. O Colón só assustou no fim, com uma tentativa de Estigarribia de cavar um pênalti em contato com Jean. O juiz não entrou na dele.

PÊNALTIS
Colón: Ruiz, Estigarribia, Correa, Fritzler e Ortiz acertaram

São Paulo: Nenê, Reinaldo e Hudson acertaram; Bruno Alves perdeu (Burián pegou no meio do gol, com o pé)

Fonte: Globo Esporte