Rio Grande do Sul – Daniela jogou TODO o campeonato grávida sem saber, com exceção do último jogo. Tomou conhecimento que esperava um bebê há duas semanas, e se conformou em dar um tempo no futebol. Mas acontece que o time que defende foi para a partida de despedida da competição com apenas 10 jogadoras. Ela, por amor ao time, ao futebol e ao marido, que é o treinador do Santarritense, foi para o campo mesmo grávida de 10 semanas.

Comandada pelo treinador e marido Rodrigo Aveiro, conhecido por Pedal, Daniela mudou um pouco a forma de jogar.

– Nesse último jogo, já sabendo que estava grávida, tomei todos os cuidados. Fui bem prudente. Minha estratégia foi não combater de frente. Jogo de volante, sou jogadora mais de força, mais brutal. Mas desta vez peguei mais leve. Além disso, umas três me protegiam, diziam pra ir devagar, pra não ir nessa ou naquela bola. Meu marido-treinador pe perguntava toda hora: “Tá tudo bem?”. E o time adversário, é bom ressaltar, jogou limpo, só na bola. Não teve jogada desleal.

Assim como as outras jogadoras, Daniela joga por amor, não recebe salário. Ela, que é corretora de imóveis, ainda não sabe o sexo do bebê. Futebol, agora, só depois da gestação.

Ah, o resultado, que não tem tanta importância diante dessa demonstração de amor de Daniela, foi 9 a 0 para o outro time, o Mundo Novo. E a atuação individual foi motivo de brincadeiras.

– As minhas companheiras disseram que eu fui a pior em campo. Mas eu joguei por dois, ora! – contou, aos risos.

Foto: Acervo Pessoal