Futebol – O milagre da Roma não se repetiu, e pela oitava vez na história, o Liverpool estará em uma final de Liga dos Campeões da Europa. O time inglês, depois de construir uma sólida vantagem no jogo de ida das semifinais, avançou mesmo com a derrota por 4 a 2 no Olímpico. Com isso, os Reds vão enfrentar o Real Madrid no aguardado confronto do dia 26 de maio, em Kiev.

A classificação anterior do Liverpool para uma final de Liga dos Campeões foi em 2007, mas acabou derrotado pelo Milan em Atenas. Dono de cinco títulos europeus, o time inglês levantou o troféu pela última vez em 2005 e, inclusive, tem um título conquistado justamente contra o Real Madrid, na temporada 1980-1981.

A Roma precisava ser perfeita para repetir o feito de avançar na competição após levar uma goleada. Bastava “apenas” copiar o 3 a 0 aplicado no Barcelona na fase anterior. Mas os erros logo jogaram por terra a esperança. Em vez de uma atuação irretocável, a Roma esforçou-se muito e ficou a um gol de levar o confronto para a prorrogação.

Mas a Roma não errou sozinha, já que o árbitro ignorou um pênalti claro para o time italiano no segundo tempo, quando estava 2 a 2, em uma jogada protagonizada por Arnold e que teve cara de bloqueio de vôlei.

O Liverpool ganhou um presente para fazer o primeiro gol. O primeiro erro da Roma no jogo foi o passe totalmente equivocado de Nainggolan. Uma bola mal atravessada, pela qual qualquer jogador é repreendido desde as categorias de base, deixou Firmino em condições de deixar Mané na cara do gol. O senegalês não desperdiçou, logo aos nove minutos.

A retribuição de falha veio em um lance bizarro da defesa do Liverpool. Lovren tentou afastar o cruzamento de qualquer jeito e acabou acertando o rosto de Milner. Por azar do meia inglês, a bola morreu no canto de Karius.

Mesmo com o gol, o Liverpool manteve o padrão de jogo e aproveitou outra soneca defensiva da Roma para ampliar, com Wijnaldum. Florenzi deu condição, e o volante marcou de cabeça.

No segundo tempo, a Roma resolveu lançar-se de vez para o ataque. De falta de vontade a torcida não pode reclamar – e o devido reconhecimento foi dado após o apito final. Dzeko e Nainggolan, duas vezes, levaram a Roma aos quatro gols. Pena para o corajoso time romanista que o esforço foi em vão. A decepção cresce pela falha da turma do apito.

Ao Liverpool, por outro lado, a classificação é um prêmio ao time de melhor ataque na Liga dos Campeões e que tem um trio ofensivo de respeito – ainda que o segundo tempo em Roma tenha sido muito tímido. A final contra o Real Madrid promete.

OGLOBO