Um homem ficou quatro dias preso em uma casa de prostituição por não pagar a conta do tempo em que esteve no local e precisou pedir ajuda à própria esposa para escapar. O caso ocorreu na última quinta-feira (17), em uma boate na cidade de Curitiba, no Paraná.

Seis pessoas foram presas pelo crime de cárcere privado e extorsão mediante sequestro. Os donos da boate também foram acusados por manter uma casa de prostituição, crime previsto em lei.

De acordo com o delegado do 10º Departamento Policial de Curitiba, que investiga o caso, Rinaldo Ivanike, o homem chegou à boate no fim da tarde de quinta-feira. Contudo, quando estava de saída do local, foi informado de que teria de pagar o valor de R$ 30 mil.

O homem tentou negociar e passou cerca de R$ 10 mil em um cartão de crédito. O valor não foi suficiente e ele foi trancado em um quarto, sob a ameaça de que só sairia do local após quitar o valor total.

“Eles – os envolvidos – negam o pedido desse valor e afirmam que o homem ficou lá por vontade própria. Mas, as investigações apontam que isso não é verdade. Tanto que ele pediu ajuda à mulher, os familiares foram até lá e foram impedidos de entrar”, conta o delegado.

Ivanike explica ainda que, quando a polícia chegou ao local, o homem estava trancado em um quatro escoltado por um segurança. Durante o tempo em que esteve no local, ele utilizou o celular escondido para conversar com a mulher. Em uma das mensagens (confira abaixo) ele pede perdão à companheira e clama por ajuda.

Foto: Reprodução

Agora, os seis detidos devem responder aos crimes. Além disso, as penas devem ser aumentadas pelo fato de o cárcere ter durado mais de 24h e também pelo envolvimento de mais de duas pessoas no caso. Ainda segundo o delegado, não é a primeira vez que a boate é acusada de manter clientes em cárcere.