Manaus – Com o período de carnaval se aproximando, os órgãos de saúde alertam para os cuidados que as pessoas devem tomar na hora da folia, para evitarem contaminações por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Doenças como o HIV/AIDS, além de sífilis e gonorreia são as com grande risco de contaminação no Amazonas, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

De acordo com o Ministério da Saúde, o principal foco é a prevenção de HIV/AIDS. Além disto, especialistas também alertam para o risco de propagação de outras doenças, como HPV, herpes genital, gonorreia, hepatite b e c e sobretudo sífilis, que vem apresentando aumento no número de ocorrências no país e no mundo.

Para a coordenadora estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)/AIDS da Susam, Vanessa Homobono, as doenças mais difundidas e com grande risco de transmissão durante o período de carnaval no Amazonas são sífilis, gonorreia, papilomavírus, além do HIV/AIDS.

O principal alerta para quem deve curtir o carnaval, segundo Homobono, é o uso de preservativo durante a prática de relações sexuais. “Lógico, a pessoa está no carnaval para se divertir, pode beijar muito, mas nunca esquecer de usar preservativo. Ele não vai prevenir só contra o HIV/AIDS, mas também pelas outras doenças que são transmitidas através do sexo”, disse.

No carnaval, as campanhas de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis se intensificam. Conforme o Ministério da Saúde, o esforço é de elevar o tom de alarme para os mais jovens, grupo no qual o ministério vem constatando menor hábito de usar preservativos e maior índice de contágio por HIV.

No Amazonas, a situação não é diferente. A coordenadora estadual de IST/AIDS comentou que há uma grande preocupação com o público mais jovem e o pedido é que fiquem alertas para as doenças e a prevenção para as doenças.

“A população jovem é quem tem o índice maior de infecção. A nossa recomendação é que se cuidem, prestem atenção e usem sempre preservativo. Há tratamento para todas as doenças sexualmente transmissíveis nas unidades de saúde, mas o ideal é que a pessoa se previna para não precisar tomar os medicamentos, tomar injeções extremamente dolorosas. A ideia principal é a prevenção”, alertou.

Sintomas e cuidados

Homobono comentou ainda sobre os sintomas que as Doenças Sexualmente Transmissíveis podem causar. Segundo ela, toda pessoa que realizou relações sexuais desprovida do uso preservativo, deve prestar atenção em relação ao sintomas das ISTs.

A prevenção, para a especialista, é a principal maneira de combater as doenças e se prevenir durante o carnaval. Mas, caso uma pessoa tenha praticado relações sexuais sem preservativo, uma unidade básica de saúde deve ser procurada para que exames sejam feitos.

“Eles podem apresentar corrimento, formação de pequenas feridas na região anal e genital, dor e formação de ‘línguas’ na virilha. Se a pessoa apresentar qualquer um desses sintomas, ela deve procurar uma unidade básica de saúde para averiguar a possível infecção de doença sexualmente transmissível”, informou.

Fonte G1