Brasil – Companhia, diversão, aprendizado, amor… Não há como negar: ter um bicho de estimação em casa – como um gato ou um cachorro, por exemplo – oferece muitos pontos positivos!

Angélica Oliveira de Almeida, médica veterinária, especialista em Acupuntura Veterinária, comenta que ter um animal em casa, de fato, oferece diversos benefícios à pessoa e toda família. “Pessoas que têm animais têm um risco menor de terem depressão. Nelas acontece maior liberação de substâncias como endorfina e dopamina, que reduzem a ansiedade”, diz.

Angélica acrescenta que pessoas que têm animais são mais ativas pois precisam cuidar e passear com seus animais. “São também mais sociáveis, e ainda, segundo algumas pesquisas, tomam menos remédios e ficam menos tempo em hospitais”, diz.

Os benefícios para crianças são maiores, conforme ressalta a médica veterinária. “Além dos benefícios já citados, elas desenvolvem responsabilidade, aprendem a respeitar os animais e trabalham sentimentos de respeito, autoestima, alegria, tolerância etc.”, destaca.

Porém, uma dúvida bastante comum é: quais são os animais mais “apropriados” para serem criados em casa?

Angélica explica que cães, gatos, pássaros, roedores e até animais silvestres (autorizados pelo IBAMA) podem ser criados em casa. “Mas antes a pessoa precisa pensar se sua casa possui estrutura física e familiar para receber esse animal”, destaca.

A veterinária destaca que não é recomendado ter como animal de estimação aqueles que não são domesticados ou silvestres sem registro e com origem duvidosa.

Giovana Mazzotti, médica veterinária diretora científica da ANCLIVEPA-DF, destaca que a escolha do animal deve se basear no estilo de vida do proprietário, seus gostos e no quanto ele poderá investir financeiramente nos cuidados que esse animal irá distender por toda sua vida.

“Não recomendo, por exemplo, uma pessoa que reside em apartamento e trabalha o dia inteiro comprar um cão Labrador Retriever. Esse animal precisa de muito contato humano e atividade física, o que essa pessoa não poderá proporcionar. Se realmente for um ‘sonho’ ter esse animal, a pessoa deve ter condições financeiras de contratar o serviço de uma ‘escola/creche para cães’, onde esse animal terá atividades e contato com outros animais e pessoas no período de ausência do proprietário”, explica Giovana.

Todos os animais, do hamster ao cavalo, destaca Giovana, requerem cuidados de médicos veterinários por toda a vida, gastos com alimentação, saúde e higiene, além tempo do proprietários para cuidados e convívio social. “A recomendação é que, antes de adquirir um animal, todos que convivem na casa se reúnam para fazer a escolha. Então, consultem um médico veterinário para orientação mais detalhada se esse animal seria o ideal ou não, bem como os cuidados que serão necessários”, diz.

Giovana destaca que muitas pessoas não sabem que devem procurar o médico veterinário ANTES de adquirir o animal (esse serviço é a consulta prévia à adoção). “Essa consulta, talvez, seja a mais importante de todas, pois vai orientar o proprietário quanto à escolha correta do animal, evitando frustrações e abandono. Além disso, nessa consulta o proprietário consegue se planejar para receber esse novo membro da família”, explica.

Além disso, vale ressaltar, são as consultas regulares com o médico veterinário que evitarão que o animal de estimação possa pegar alguma doença e transmitir aos seus donos. Pois, nem todo mundo sabe, mas, infelizmente, existem diversas doenças com caráter zoonóticos (doenças que passam dos animais para o homem). Abaixo você conhece algumas delas e confere, sobretudo, como é simples evitá-las – protegendo seu bichinho de estimação e também a saúde de toda a sua família.

FOTO: GETTY IMAGES

Fonte: https://www.dicasdemulher.com.br/doencas-que-os-bichos-de-estimacao-podem-transmitir-aos-humanos/