Wilson Lima discute investimentos na Amazônia com ministro alemão, Gerd Muller, que visita projeto no AM
Manaus - Amazonas - 23:05
19 de Julho de 2019

C/S PI 5577 - EFTIVAÇÃO DE MIDIA/BANNER / CAMPANHA NOVAS MEDIDAS - FASE I / SECOM / PORTAL CM7


Wilson Lima discute investimentos na Amazônia com ministro alemão, Gerd Muller, que visita projeto no AM

Fotos: Diego Peres/Secom



Amazonas – O governador Wilson Lima se reuniu, na última terça-feira (10/07) com o ministro de Cooperação Econômica da Alemanha, Gerd Muller, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em Brasília (DF), para tratar sobre investimentos em desenvolvimento sustentável na Amazônia. O ministro virá ao Amazonas, na quarta-feira (11/07), para visitar um dos projetos financiados pelo Fundo Amazônia, cuja execução conta com apoio do governo alemão.

Durante a reunião, o governador destacou a importância do Fundo Amazônia para o desenvolvimento sustentável, sobretudo no Amazonas, que mantém, em seu território, cerca de 97% da floresta amazônica preservada. Ele ressaltou que há no estado bons exemplos de cooperação que têm contribuído para o desenvolvimento econômico e social e que esses investimentos devem ser mantidos.

“O ministro (Gerd Muller) está indo ao Amazonas juntamente com o embaixador da Alemanha. Essa visita é importante para nós para que possam ver de perto o resultado dos investimentos que fazem no estado através das doações para o Fundo Amazônia”, ressaltou Wilson Lima.

O ministro e o embaixador irão visitar, acompanhados do secretário estadual de Meio Ambiente, Eduardo Taveira, a comunidade Tumbira, que fica na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro, que abriga 19 comunidades, no município de Iranduba. Na Tumbira, os projetos financiados pelo governo alemão são nas áreas de geração de renda, empoderamento comunitário e gestão territorial.

“Na reserva de desenvolvimento sustentável no Rio Negro também temos comunidades que desenvolvem atividades sustentáveis como o manejo florestal, a questão da pesca, o artesanato, turismo de base, numa parceria que envolve Governo do Estado e também a Fundação Amazonas Sustentável. E é um exemplo muito claro e muito significativo de como é possível você preservar os recursos naturais e desenvolver econômica e socialmente”, frisou o governador.

Para o secretário do Meio Ambiente, Eduardo Taveira, a visita do ministro alemão ao Amazonas reforça o protagonismo do estado na agenda de conservação ambiental. “O governo alemão é parceiro do estado do Amazonas em diversas ações de conservação e combate ao desmatamento, e temos mantido bons resultados que fortalecem essa cooperação. As unidades de conservação estaduais, por exemplo, representam menos de 1% do desmatamento em todo o estado. Nosso foco nesta gestão, por determinação do governador Wilson Lima, é garantir não apenas a floresta em pé, mas também bons resultados em desenvolvimento socioeconômico para as populações no interior”, destacou.

Governadores da Amazônia – Após a reunião reservada com o ministro alemão, Wilson Lima, acompanhado do secretário Taveira, também conversaram sobre políticas de desenvolvimento da Amazônia em uma reunião ampliada do ministro Ricardo Salles com a participação de outros cinco governadores de estados da região amazônica.

“O que a gente defende aqui é o diálogo e entendendo que os investimentos do Fundo Amazônia eles devem estar conectados com as políticas públicas e envolver o máximo possível de atores nesse processo, sobretudo, setor produtivo e comunidades. Então, o que a gente defende é isso, é o envolvimento do máximo possível de atores inclusive tendo a participação do Governo Federal e dos Governos dos estados da Amazônia nesse processo decisório de investimentos do Fundo Amazônia”, afirmou o governador do Amazonas.

Wilson Lima pontuou os desafios enfrentados para a promoção do desenvolvimento sustentável e espera que o diálogo seja mantido, envolvendo o Governo Federal e os representantes dos governos da Amazônia. Desde a segunda-feira (09/07), o governador tem mantido agenda de encontros para tratar do tema, uma delas contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, durante reunião no Ministério do Meio Ambiente para discussão do processo de licenciamento ambiental das obras da BR-319.

“Um dos grandes problemas que eu tenho, por exemplo, no Amazonas é a questão da regularização fundiária. Para que eu possa caminhar nesse sentido, eu preciso de um georreferenciamento, eu preciso preparar o Zoneamento Econômico-Ecológico para identificar as potencialidades de cada região, eu preciso avançar no CAR, que é o Cadastro Ambiental Rural. Sem isso, por exemplo, o pequeno produtor não consegue viabilizar sua atividade econômica. Então, é nesse sentido que nós estamos trabalhando: que o Fundo Amazônia tenha essas destinações, que viabilizem a vida de quem está morando na Amazônia e está disposto a proteger”, ressaltou Wilson Lima.

Durante a reunião com o ministro e governadores, além do Fundo Amazônia, foram discutidas estratégias de redução do desmatamento atreladas a ações que promovam o desenvolvimento econômico e social de forma sustentável, desafios dos licenciamentos ambientais, fiscalização ambiental, unidades de conservação e problemas urbanos como gestão do lixo e qualidade do ar. “Nós temos uma série de desafios e eles precisam ser solucionados”, disse o ministro Ricardo Salles aos governadores.

Também participaram do encontro, representantes do Ibama, ICMbio, secretários de planejamento e de meio ambiente estaduais e representantes de outras autarquias públicas envolvidas com a questão ambiental. Pelo Amazonas, além de Eduardo Taveira, participaram o presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Juliano Valente, e a deputada estadual Joana Darc, presidente da Comissão de Meio Ambiente, Proteção aos Animais e Desenvolvimento Sustentável (Caama), da Assembleia Legislativa do Amazonas.

O ministro do Meio Ambiente agradeceu aos governadores o alinhamento e entendimento no sentido de buscar a solução correta para o desenvolvimento econômico, sem desconsidera o ser humano e ao mesmo tempo trabalhar a preservação ambiental. “Não é possível fazer política ambiental sem considerar o mundo real”, disse Ricardo Salles.

Deixe seu like:

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA