Manaus – O prefeito de Coari Adail Filho, que foi preso nesta quinta-feira (26), durante a Operação Patrinus ficará no Quartel do Batalhão de Choque da Polícia Militar, localizado na estrada Torquato Tapajós, perto da barreira por cinco dias, mas a prisão pode ser prorrogada por mais cinco dias.

Policiais do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), Adail é suspeito de fazer parte de uma organização criminosa que desviou R$ 100 milhões de recursos da Educação do município de Coari.

O Empresário Alexsuel Rodrigues (sócio da empresa AMS Rodrigues): Centro de Detenção Provisória de Manaus I – (CDPM I).

O sargento PM Fernando Lima (assessor do prefeito): encaminhado ao Comando-Geral da PM para devida providência.

Já o vereador Kleiton Batista (presidente da Câmara Municipal de Coari): deve ser recolhido também para um quartel de polícia, como preceitua o art. 295 (inciso 2º) do CPP – Código de Processo Penal.

Entenda o caso

 Na manhã desta quinta-feira (26), o Ministério Público do Estado (MPE), apresentou o balanço da Operação Patrinus, que  cumpriu mandados de busca e apreensão e prisões temporárias, contra o atual Chefe do Poder Executivo do Município de Coari, Adail Pinheiro Filho,  alguns secretários municipais, vereadores, empresários de Coari e Manaus, além de uma Deputada Estadual Mayara Pinheiro, todos envolvidos supostamente num esquema criminoso operado em forma de organização criminosa, criada para fraudar licitações, lavar dinheiro e corromper a estrutura de poder do município.