Amazonas – O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), Josué Neto (PRTB) afirmou nesta última quarta-feira (19), que a pesquisa da Unicamp que diz que a exploração de gás em Manaus pode causar terremotos e prejuízos econômicos para o Estado é um discurso da esquerda para atacar o Programa Novo Mercado de Gás, proposto pelo presidente Jair Messias Bolsonaro com apoio dos Ministérios de Minas e Energia e da Economia.

“O reitor da Unicamp atacou novamente Bolsonaro perante sua militância. Se a bandeira do Bolsonaro é a abertura do mercado de gás, estamos no caminho certo. Já dá pra entender porque essa Unicamp diz que o gás vai causar terremoto no Amazonas, né? Um estudo ideologicamente parcial de uma Universidade dominada por quem é contra o desenvolvimento do Amazonas”, disse o presidente da Aleam.

Em abril deste ano, o reitor da Unicamp criticou Bolsonaro em uma live do Facebook citando que o mesmo “vive em universo paralelo” demonstrando o velho discurso da esquerda brasileira.

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) também investiga por meio de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) o aparelhamento da esquerda na Unicamp, por orientar os alunos a uma ideologia da esquerda.

Josué destacou que atualmente o Projeto de Lei 6.407/2013, conhecido como a Nova Lei do Gás, está tramitando na Câmara Federal e a bancada de esquerda é contra a proposta, que traz desenvolvimento, emprego e renda para o Brasil.

Amazonas

Em abril deste ano, Josué apresentou uma nova lei do gás, que foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Amazonas, mas vetada pelo Governo do Estado.

De acordo com dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma nova lei do gás pode gerar nos próximos dez anos mais de 40 mil empregos e atrair três trilhões em reais em investimentos para o Amazonas.

Com informações da Assessoria.