Manaus –  A Câmara Municipal de Manaus (CMM) realizou, nesta segunda-feira (5), a última Audiência Pública virtual do ano, destinada a discutir, com a Prefeitura de Manaus, o que foi arrecadado e gasto pelo Executivo no atual exercício. A pauta foi toda centralizada nos números do segundo quadrimestre, que correspondem a maio, junho, julho e agosto.

A reunião remota foi coordenada pelo presidente da 3ª Comissão de Finanças, Economia e Orçamento (CFEO), Gilmar Nascimento (PRTB).

Na tabela apresentada pelos técnicos da Secretaria Municipal de Finanças e Tecnologia da Informação (Semef), o Executivo apresentou uma receita corrente de R$ 3.434.754.660,22, que representa um aumento de 7,64% em relação ao segundo quadrimestre de 2019, que foi de R$ 3.099.746.413,83.

Pelos dados houve uma redução de R$ 2,23% na receita própria, que passou de R$ 1.140.205.692,90 em 2019, para R$ 1.165.580.532,32 em 2020.

Gastos
Segundo a tabela, no primeiro quadrimestre, os maiores gastos foram com saúde e educação. Os dados referentes à responsabilidade financeira do município em relação à capacidade de endividamento está em 13,20%, contra 120% do que impõe a resolução do Senado Federal.

Reforma
A prefeitura trabalha por uma redução de até R$ 500 milhões nos gastos, para fazer frente à recessão econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus. A reforma administrativa posta em prática no primeiro semestre caminha firme nesse propósito e, inclusive, já extinguiu três secretarias: Esportes (Semjel), de Parceria e Projetos Estratégicos (Semppe) e de Defesa do Consumidor (Procon Manaus).