Manaus (AM) – Na manhã desta quinta-feira (08), a sede do Governo do Estado localizado na avenida Brasil, bairro da Compensa, foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal dentro do gabinete do vice-governador Carlos Almeida.  As medias cautelares, que incluem o sequestros de bens e valores, foi determinada pelo ministro Francisco Falcão.

Entre os levantamentos referentes as buscas contra o vice-governador, o ministro ressaltou que ele – Carlos Almeida – mantinha influência na Secretaria da Saúde, e como dominante seria o responsável por indicar seu sucessor Rodrigo Tobias, e também João Paulo Marques dos Santos, ambos presos na Operação Sangria. 

Diante do escândalo envolvendo o nome de Almeida, um vídeo volta ser tema nos bastidores da notícia, onde mostra o momento em que o vice sai de um edifício comercial em Manaus, com uma sacola supostamente abastecida com dinheiro. A reunião teria ocorrido dentro de um escritório de advocacia contou com a presença de vários servidores públicos. Carlos nega as acusações, e afirma que dentro da bolsa apenas haviam  whey protein e crepioca, alimentos comuns para quem é praticante de esportes.

Mas parece que para Francisco Falcão o conteúdo de dentro da sacola térmica era realmente propina, citando novamente o vídeo em questão. O que levantou a suspeita do ministro seria o fato de as salas são do escritório de advocacia Cruz, Queiroz, Bernardino & Azevedo Advogados, que tem entre seus sócios Julio Cezar Furtado de Queiroz, dono de empresas com contratos com a Secretaria de Saúde.

 

Diante destes fatos,  a residência e o gabinete de Almeida além do escritório de advocacia acima citado, receberam a visita de agentes da PF nesta segunda fase da Operação que aconteceu nesta manhã.