CM7

     
 
 
Manaus, 19 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Arquivo / Rio de Janeiro / Cepa do zika que circula no país é encontrada na África

Cepa do zika que circula no país é encontrada na África

Da redação | 21/05/2016 05:20

RIO – A cepa do vírus zika que circula no Brasil e em outros países da América Latina foi encontrada pela primeira vez na África, em Cabo Verde. O anúncio foi feito na sexta-feira pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A cepa que circula pela América Latina é a versão asiática do zika e foi detectada graças à sequenciação do vírus em casos clínicos em Cabo Verde.

— É a primeira vez que a cepa do vírus da Zika, responsável pelas epidemias relacionadas com problemas neurológicos e microcefalia, foi detectada na África Os resultados são preocupantes porque são mais uma prova de que a epidemia se propaga para além da América do Sul e se encontra às portas da África — declarou Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África, em uma coletiva de imprensa em Genebra:

— Essa informação ajudará os países africanos a reavaliar seu nível de risco e a adaptar sua preparação

A OMS acredita que a cepa asiática do vírus chegou a Cabo Verde “por meio de um viajante”. Bruce Aylward, diretor-geral adjunto da OMS, explicou que também existe uma cepa africana do vírus zika e que é difícil prever o que vai acontecer agora com esses dois surtos. Em Cabo Verde, foram detectados, até o dia 8 de maio, 7.557 casos suspeitos de zika e três casos de microcefalia.

VÍRUS NOS EUA

Os Estados Unidos têm 157 grávidas, nos 50 estados do país, com resultados positivos para o vírus zika. Outras 122 mulheres infectadas são de territórios controlados pelo país, informou também na sexta-feira o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). É a primeira vez que a agência divulga o número de mulheres grávidas com zika nos EUA e em seus territórios. Na semana passada, em estimativa de outros órgãos, o número era de 48 casos.

Segundo o CDC, cerca de dez mulheres tiveram abortos espontâneos ou bebês com deficiências. Quase todos os casos de contaminação nos EUA envolvem pessoas que pegaram o vírus em visitas a países onde a situação já é grave, como o Brasil, ou em contato sexual com viajantes.

A preocupação do governo dos EUA é que o vírus se prolifere no verão que se aproxima. O governo Obama pediu US$ 1,9 bilhão para os esforços contra o vírus. O Senado aprovou US$ 1,1 bilhão, mas a Câmara dos Deputados liberou apenas US$ 642 milhões.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA