Preocupação com ajuste fiscal faz Bolsa cair 0,76% - Portal CM7 - Notícias de Manaus e Amazonas
Manaus - Amazonas - 10:06
19 de Janeiro de 2019

Topo


Preocupação com ajuste fiscal faz Bolsa cair 0,76%

SÃO PAULO – As preocupações com a situação fiscal do país pressionam os negócios nesta sexta-feira. Às 10h30, o dólar comercial estava praticamente estável, com leve alta de 0,04%, cotado a R$ 4,048 na compra e a R$ 4,050 na venda. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de 0,76%, aos 41.161 pontos.

Fatores internos pressionam os negócios nesta sexta-feira. Ricardo Gomes da Silva Filho, da Correparti Corretora de Câmbio, destacou a a declaração do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sobre a falta de espaço para reduzir os juros no país. Além disso, o anúncio dos cortes no Orçamento de 2016 também estão no radar dos investidores.

Na quarta-feira no final da tarde, a Standard & Poor’s anunciou um novo rebaixamento da nota de crédito (rating) do Brasil. Uma das razões para essa mudança, e a manutenção de perspectiva negativa, é a trajetória da dívida pública. Sem as medidas de ajuste fiscal, fica mais difícil reverter a tendência de crescimento da dívida em relação ao PIB.

Além disso, depois de alguns pregões de calmaria, o ambiente externo voltou a causar maior volatilidade, com o aumento das dúvidas em relação ao ritmo de crescimento da economia global. No exterior, o “dollar index”, calculado pela Bloomberg, tem leve queda de 0,12%.

Na Bolsa, todas as ações mais negociadas do Ibovespa operam em queda. No caso da Petrobras, os papéis preferenciais (PNs, sem direito a voto) caem 1,08%, cotados a R$ 4,54, e os ordinários recuam 1,06%, a R$ 6,53.

Também estão em terreno negativo as preferenciais da Vale, que têm variação negativa de 0,59%, e as ordinárias com queda de 0,26%. O setor bancário, de maior peso no Ibovespa, também está em terreno negativo. As preferenciais do Itaú Unibanco e do Bradesco caem, respectivamente, 0,66% e 0,85%. No caso do Banco do Brasil, as ações estão estáveis.

Nesta sexta-feira, o Citi anunciou o interesse em vender os negócios de varejo em alguns países, incluindo o Brasil.

Deixe seu like:

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA