CM7

 
Manaus, 23 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Amazonas / PIM / Moody’s corta notas de crédito da Shell, Chevron e Total

Moody’s corta notas de crédito da Shell, Chevron e Total

Da redação | 09/04/2016 11:20

CALGARY – A agência de classificação de risco Moody’s cortou a nota de crédito de três das maiores companhias de energia do mundo diante da expectativa de queda mais duradoura dos preços do petróleo, o que causam preocupações a respeito da alavancagem. A Chevreon e a Shell tiveram seus ratings reduzidos em um patamar, enquanto a Total caiu dois níveis, segundo comunicados da agência divulgados nesta sexta-feira.

Segundo a entidade, a Chevron vai registrar fluxo de caixa negativo em meio à dívida crescente pelo menos nos próximos dois anos, enquanto a Shell terá alavancagem elevada como consequência da aquisição do BG Group. Espera-se que os preços permaneçam baixos este ano e no próximo e continuem a pressionar o fluxo de caixa operacional da Total e as métricas de crédito, diz a nota.

Grandes e pequenas empresas do setor petroleiro tem visto suas notas de crédito serem reduzidas já que o colapso nos preços da commodity reduz o fluxo de caixa e limita a habilidade de sustentar pagamentos de dívida. Desde o ápice em meados de 2014, os preços do petróleo na Bolsa de Nova York já caíram mais de 60%.

Os ratings da Chevron e da Shell foram reduzidos para Aa2, oa terceira maior nota, ante Aa1. Já a classificação da Total caiu desse último patamar para Aa3. O rating da BP permanece em A2, já que suas métricas de crédito e perfil do negócio estão mais favoráveis quando comparadas a outras companhias do setor.

As medidas da agência concluem revisões iniciadas em janeiro e fevereiro. A Moody’s espera que os preços globais do petróleo continuem fracos no médio prazo. O mundo está “inundado de petróleo” e os altos estoques e elevada produção recuam lentamente, afirmam analistas da entidade liderados por Terry Marshall, segundo relatório em 30 de março.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA