Centro Acadêmico solta nota de repúdio contra atitude machista de professor contra aluna

Por Redação Lima em 1 de novembro de 2017 às 10:59 | Atualizado 1 de novembro de 2017 às 15:07

Manaus – O Centro Acadêmico de Direito, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), soltou uma nota de repúdio contra a atitude de um professor contra uma aluna que, em uma atitude machista, foi comparada por ele com uma garota de programa por conta da sua foto no perfil do Whatsapp. A aluna expressou sua indignação na sua página no Facebook. Até o momento, a sua postagem já ultrapassou os 200 compartilhamentos.

 

Leia a nota liberada pela assessoria da UFAM:

Nota de repúdio do Centro Acadêmico de Direito – 17 de Janeiro

O Centro Acadêmico de Direito – 17 de Janeiro da Universidade Federal do Amazonas vem por meio desta externar seu repúdio quanto a quaisquer atitudes machistas praticadas, especialmente quanto às praticadas na circunscrição de atuação desta associação.

A Universidade Pública funciona através da harmonia entre os seguimentos, buscando sempre o respeito mútuo entre aqueles que atuam dentro daquele espaço. Em palavras rasas, discentes, docentes e técnicos devem primar pelo respeito.

Infelizmente, nem sempre isto é o que acontece. Ano após ano, pessoas são vítimas de preconceitos retrógrados no âmbito do próprio campus universitário, sendo o preconceito racial, a homofobia e o machismo as modalidades mais recorrentes.

Infortunamente, na última quarta-feira, dia 25 de Outubro de 2017, mais um caso desta prática abjeta fora ventilado no seio da Universidade Federal do Amazonas, mais especificamente no âmbito da Faculdade de Direito, onde uma aluna teve sua condição de mulher ofendida por um docente, somente em virtude de uma fotografia da aluna que, segundo a visão daquele, seria inadequada, motivo pelo qual o professor comparou a ofendida a uma “acompanhante de luxo”.

Nesse específico, alguns pontos devem ser observados: a vida privada de cada um, sua orientação sexual ou forma de adquirir renda, só dizem respeito à própria pessoa; não incumbe a qualquer pessoa julgar se uma fotografia é inadequada ou não, essa decisão somente cabe a pessoa que a tirou; não se deve, jamais, atribuir palavras de baixo calão a uma pessoa gratuitamente, especialmente quando se tratar de relação estritamente profissional.

Ante a isto, é de extrema tristeza imaginar que um agente investido em um cargo público com objetivo de fomentar e desenvolver a educação seja protagonista de tamanho desrespeito, indo de frente a todas as diretrizes e bases que se exige a uma educação de qualidade.

Todos os dias o machismo velado de opinião agride, violenta, subjuga, deprime e mata no nosso país. Não podemos e não iremos nos calar diante de mais uma manifestação dessa prática torpe que precisa ser expurgada de nosso ambiente acadêmico e social.

Por esta razão, este Centro Acadêmico convoca a todos alunos para manifestar sua indignação no dia 06 de Novembro de 2017, às 18 horas, tendo como ponto de concentração o auditório da Faculdade de Direito. Será permitida a colagem de cartazes. Haverá palestras sobre o tema “machismo” no auditório, estando a Professora Alichelly Carina Macedo Ventura, coordenadora do Grupo de Estudos do Sistema Interamericano de Direitos Humanos, responsável pelo ciclo de debates.

Por fim, esta associação se compromete a tomar todas as medidas administrativas cabíveis para apurar e julgar os fatos apontados.

Att,
Centro Acadêmico de Direito – 17 de Janeiro.

Deixe seu comentário