Amazonas – Visando o desenvolvimento da cultura do açaí no Amazonas, técnicos do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), Secretaria de Produção Rural (Sepror) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estiverem na propriedade do produtor rural José Holanda, em Iranduba, para verificar a tecnologia do sistema de irrigação por microaspersão utilizada no cultivo do fruto. A atividade, que aconteceu no ramal do Janauari, km 17, na última quarta-feira (4), faz parte do curso de capacitação técnica para executores do Projeto Prioritário da Cadeia Produtiva do Açaí, que está sendo trabalhado em 12 municípios do Amazonas até 2022.
 
De acordo com a engenheira agrônoma do Idam e coordenadora do projeto, Anecilene Buzaglo, a escolha pela visita a esta propriedade se deu pela importância de acompanhar de perto o funcionamento de uma área  de cultivo de açaí irrigado, uma tecnologia inovadora que deve ser incentivada e ampliada aos agricultores familiares e produtores rurais do Estado. “O proprietário fez todo um planejamento para a implantação do sistema de irrigação e vem recebendo o acompanhamento de técnicos do Idam durante todo o processo, o que é fundamental para o desenvolvimento da cultura”, disse a engenheira.
 
Ainda segundo Anecilene, essa tecnologia é a mais indicada para o cultivo de açaí na região, destacadamente para a espécie Euterpe oleracea, conhecida como açaí do Pará, que, conforme pesquisas, pode aumentar a produtividade e rendimento da polpa. “O objetivo é fazer uma irrigação suplementar, no período em que não há chuvas na nossa região, proporcionando as plantas o fornecimento de água, possibilitando a diminuição do estresse hídrico ou de mortes de plantas. A utilização do sistema de irrigação associado a uma boa adubação e bom manejo da cultura possibilitará aumentar a produtividade, o período de safra e o rendimento de polpa do fruto de açaí”, explicou.
 
Segundo o engenheiro agrônomo do Idam, Jaguanhara Lopes, que realiza o acompanhamento técnico da propriedade, o produtor possui uma área de 7 hectares de açaí com o sistema de irrigação por microaspersão. “A tecnologia foi implantada há dois meses e a previsão é que a partir de três anos de cultivo os resultados comecem a aparecer. No quarto ano inicia a produção comercial e a expectativa de produtividade inicial é de 3 toneladas por hectare aos 4 anos de idade. Após 10 anos de cultivo, essa produtividade estabiliza em 12 toneladas por hectare “, explicou o engenheiro.
 
Para a pesquisadora da Embrapa, Maria do Rosário Rodrigues, a parceria com o Idam é fundamental para que as tecnologias desenvolvidas nos laboratórios, nas áreas experimentais, cheguem aos agricultores. “O açaí é uma cultura que vem despertando muito interesse nos nossos agricultores amazonenses e a capacitação dos técnicos é muito importante para que eles levem esse conhecimento ao campo, ajudando os agricultores a estabelecerem plantios mais bem instalados e tecnicamente manejados, promovendo assim o desenvolvendo agrícola do nosso Estado”, destacou.