Manaus – A herança do empresário José Ferreira de Oliveira, mais conhecido no Amazonas como Passarão, tem sido alvo de uma disputa acirrada entre os filhos e a esposa.

Entre os bens do império construído em mais de 40 anos, constam o maior porto alfandegado de Manaus, dezenas de balsas e embarcações, imóveis em condomínios de luxo, um Jato Falcon avaliado em mais de 100 milhões de reais, carros e uma fortuna incalculável aplicada em bancos nacionais e internacionais.

Recentemente, uma alteração feita no contrato social do Grupo Chibatão revoltou os herdeiros do empresário. A atual mulher, que possuía apenas 1%, agora possui 39%. A alteração foi feita sem nenhum respaldo judicial e não se sustenta de nenhuma forma como uma decisão justificada. Dessa forma, os herdeiros legítimos receberam a notícia como uma tentativa de golpe na fortuna que lhes é por direito.

De acordo com as normas judiciais, a lei não sustenta essa alteração, e deve ser anulada, pois é uma situação que envolve violação dos direitos dos herdeiros. Se não houver anulação nos tribunais de Manaus, a alteração deve “cair” em Brasília, no Superior Tribunal de Justiça.