Amazonas – O Governo do Amazonas deu inicio à desocupação do Monte Horebe, na zona norte de Manaus. Após atuação das forças de segurança, as equipes da área social do Estado já iniciam o trabalho de identificação das famílias, que serão direcionadas para o Colégio Militar da Polícia Militar VI, no Viver Melhor, onde farão o cadastro social que vai definir soluções de moradia.

As casas dos moradores que passarem pela triagem social só serão demolidas assim que definida e acordada a solução de moradia. Outras edificações não residenciais e aquelas que estão desocupadas serão demolidas hoje. O objetivo da ação é encaminhar a população que reside na área para moradia em condições dignas.

As forças de segurança chegaram ao local por volta das 6h. Por volta das 8h, os moradores se encaminharam para as suas residências para que as equipes sociais possam iniciar o levantamento. As forças policiais permanecem no local para garantir a segurança das famílias e equipes sociais do Governo do Estado e Defensoria Pública (DPE-AM).

 

Atendimentos – A operação conta com efetivo de mais de 800 servidores, entre policiais e equipes de assistência social.

O plano de desocupação foi anunciado na última sexta-feira (28/02) em coletiva de imprensa convocada pelo Gabinete de Gestão Integrada (GGI) da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), com a coordenação do vice-governador, Carlos Almeida.

Entre os órgãos envolvidos estão as secretarias estaduais de Assistência Social (Seas), Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Meio Ambiente (Sema), Segurança Pública (SSP), Unidade de Gestora de Projetos Especiais (UGPE), Casa Civil, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Superintendência Estadual de Habitação (Suhab), Polícia Militar, Polícia Civil, DPE-AM, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) e Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM).

O trabalho das forças de segurança tem como principal objetivo assegurar que as famílias tenham o atendimento adequado que será realizado pelas equipes sociais do Governo.

O atendimento social será realizado por 180 servidores, sob a coordenação da Seas, Sejusc, UGPE, Suhab e Defensoria Pública. Além disso, haverá apoio de servidores do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Secretaria de Cidades e Territórios (Sect), Sema, Ipaam e secretarias estaduais de Cultura e Economia Criativa, e de Educação e Desporto.

Representantes da OAB-AM e do MPE-AM também participaram das reuniões de planejamento da reintegração e foram convidados a participar da operação nesta segunda-feira.