O governador do Amazonas, Wilson Lima, e o secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, Aluizer Malab, lançaram, na tarde desta segunda-feira (11), a tipologia de barco-hotel como meio de hospedagem no programa Cadastur (Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos), coordenado pelo Ministério do Turismo (Mtur). A inclusão do barco-hotel foi um pleito levantado Governo do Estado, por meio da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) e referendado pelo Mtur, após a empresa apresentar nota técnica destacando a importância do meio de hospedagem para o desenvolvimento do setor.
 
Em cerimônia realizada no rio Negro, a bordo do navio Rio Negro Queen, o governador Wilson Lima entregou os certificados aos operadores do trade, que atuam com barcos-hotéis no turismo amazonense e destacou a importância da certificação para o segmento no estado.
 
 
“Mais do que um sonho, é uma necessidade do estado do Amazonas, uma vez que isso já acontece naturalmente, das pessoas utilizarem as embarcações como meio de hospedagem. Hoje nós estamos recebendo aqui o representante do Ministério do Turismo, dando essa tipologia, e isso vai ser muito importante para quem trabalha nessa atividade, para o operador de turismo, para alguns destinos em que isso já acontece efetivamente, como é o caso, por exemplo, de Parintins, onde nós temos a maior quantidade de visitantes hospedados em embarcações”, afirmou o governador.
 
O secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, Aluizer Malab, destacou a importância do Amazonas para o turismo nacional e o impulsionamento de iniciativas novas para o setor dentro da Amazônia.
 
 
“Desde a nossa chegada esse ano junto ao Ministério, essa demanda veio fortemente aqui do estado, e nós entendemos que isso é quase como um pedido de desculpas. Porque isso aqui não estava sendo reconhecido, com um trabalho tão ‘premium’. Saio daqui muito mais feliz, sabendo que a embarcação também é produzida, que ela também é construída aqui. Então, a gente tem um serviço, a gente precisa ter mais descobrimento desse Brasil. Essa aqui é uma modalidade extremamente ‘premium’ de turismo, com pesca, com contemplação, com ecoturismo, e esse estado tão rico, que tem tanto a colaborar, dá mais um passo adiante, promovendo isso aqui”, disse Malab.
 
A diretora-presidente da Amazonastur, Roselene Medeiros, destacou o crescente número de empreendimentos turísticos e de prestadores de serviços turísticos do Amazonas devidamente cadastrados junto ao Ministério, dando ao estado e ao turista, maior segurança e confiabilidade.
 
“Isso aqui é a tipificação dentro do Cadastro Nacional. Então, na hora que está no cadastro, qualquer pessoa tem acesso. E nós, como órgão que promove o destino Amazonas, já promovemos esse barco-hotel, toda essa característica. Então, todo mundo pode ter acesso, buscar no seu agente de viagem que está aqui para todo mundo usufruir dessas belezas. Mas o importante é que está hoje no Cadastro Nacional dos Prestadores de Serviços Turísticos”, ressaltou a titular da Amazonastur.
 
 
Do Amazonas para o Brasil – Diferenciado do restante do país por integrar a maior bacia hidrográfica do planeta, o Amazonas possui dezenas de barcos de turismo que atuam como barcos-hotéis, todavia, não eram certificados como meio de hospedagem. Antes da certificação entrar em vigor em outubro deste ano, os barcos eram cadastrados como equipamentos turísticos das operadoras de turismo e como meio de transporte.
 
A medida contempla excursionistas que se deslocam para cidades como Parintins, Barcelos, Borba, Novo Airão, entre outros municípios, onde participam dos principais festejos culturais e religiosos, uma vez que a capacidade hoteleira nas comunidades não supre a demanda dos visitantes, que optam por se hospedar em barcos-hotéis.
 
Durante a cerimônia, quatro agências de turismo que operam com barcos-hotéis receberam a certificação de meio de hospedagem. São elas: Amazônia Expeditions, Amazon Cliper Cruiser, Queen Amazônia e Juliana TUR Ltda.
 
Cadastur – Conforme o Ministério do Turismo, a participação no Cadastur é obrigatória para agências de turismo, meios de hospedagem, organizadoras de eventos, parques temáticos, transportadoras turísticas e também para os guias de turismo. Além disso, a iniciativa promove o ordenamento, a formalização e a legalização destes prestadores. A maioria dos programas e ações do Ministério do Turismo voltados para os municípios e empreendedores, como o financiamento de projetos, exige o número do Cadastur. Além de garantir diversas vantagens e oportunidade de negócios, o programa também é uma importante fonte de consulta para o turista, com mais de 90 mil prestadores de serviços.