Amazonas – Investindo na qualidade e no aprimoramento do ensino a partir de novos estudos científicos e também tecnológicos, a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) se tornou pioneira ao inovar, implantando na grade curricular a disciplina Direito Digital no curso de graduação de Direito. A metodologia começou a ser aplicada neste semestre pelo professor e também advogado especialista em Direito Digital, Aldo Evangelista.

A coordenadora do curso de Direito, Taís Braga, enfatizou que a disciplina tem como finalidade preparar o aluno para o novo mercado de trabalho da era digital. Segundo Taís, a matéria vem agregar o conhecimento teórico ao prático para uma formação completa do acadêmico. “Atualmente, existe uma forte interação entre o Direito e a tecnologia. Pensando nisso, a UEA foi pioneira na implantação da disciplina para conectar os futuros profissionais ao novo cenário da ciência jurídica”, comentou.

Já o ministrante da disciplina destacou que o objetivo é fazer com que o curso de Direito da UEA acompanhe os avanços da tecnologia digital, principalmente, no que se refere ao mundo legislativo. Evangelista enfatiza que os acadêmicos precisam estudar e entender o mundo digital para interpretar a inovação no Direito sob uma nova ótica. A primeira turma já está em andamento com 34 alunos.

“O Direito Digital é a atualização do Direito, uma espécie de upgrade do curso. A ciência jurídica é o reflexo da sociedade, e hoje há uma sociedade altamente conectada, com uma vida digital ativa, ocasionando diversas consequências jurídicas e a necessidade de novos marcos regulatórios para as tecnologias digitais que já existem e outras que irão surgir”, disse.

O professor ressalta ainda que, neste momento, é preciso estimular e potencializar a reflexão, discussão e o pensamento crítico dos estudantes, além de incentivar a colaboração, a criação e o empreendedorismo para o jurídico digital, fatores esses que são propostos pela disciplina Direito Digital. Por fim, Evangelista explica que existem outras instituições públicas no Brasil, como a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Universidade Federal do Tocantins (UFT), que utilizam matérias voltadas à tecnologia do Direito, mas com outros enfoques e com nomes como Informática Jurídica e Direito da Informática.

“Utilizaremos como metodologia da nossa disciplina o máximo das tecnologias digitais disponíveis no mercado para total interação e diálogo com os acadêmicos. Não temos mais a opção de querer ou não as tecnologias digitais. Elas estão no mundo, e as utilizamos diariamente. O que temos de fazer é entendê-las e usá-las a nosso favor, melhorando assim a nossa qualidade de vida, o nosso trabalho e a sociedade”, finalizou Evangelista.