Absurdo: pacientes intubados são amarrados em maca por falta de sedativos em Parintins; veja vídeo

Por Almeida em 23 de fevereiro de 2021 às 15:26 | Atualizado 23 de fevereiro de 2021 às 15:26

Amazonas – Mais um descaso por parte da Prefeitura de Parintins chocou o país. Imagens que circularam nas redes sociais na segunda-feira (22), revelaram que os pacientes com a Covid-19, que estão internados e intubados no Hospital Municipal de Parintins, Jofre Cohen, agora estão sendo amarrados nas próprias macas por falta de sedativos.

Vídeos feitos pela própria equipe do hospital gerou revolta na sociedade brasileira. Nas imagens, uma enfermeira  mostram os pacientes e diz que: “Todos estão contidos porque a sedação tá zerada. Estamos sem sedação.”

No entanto, a estratégia usada no hospital não é proibida. Médicos explicaram que foi necessário amarrar os pacientes com gaze, porquê como estão sem sedativos e podem acordar a qualquer momento desnorteados, e podem tentar retirar o tubo de ventilação, o que poderia gerar uma parada cardíaca nos mesmos.

Mesmo assim, muitos consideram desumano o fato de que o paciente intubado sem o uso de analgésico vai sentir um grande incômodo, medo e ansiedade. O não uso de sedativo também prejudica a saúde mental do paciente com a Covid-19 nestas condições.

Diante da repercussão dos fatos, a Defensoria Pública do Amazonas se manifestou e disse que vai apurar a situação dos pacientes, e pediu que a Prefeitura de Parintins esclareça a situação.

O que diz a Prefeitura de Parintins:

Em nota, a Prefeitura de Parintins nega que há falta de medicamentos no município e que no sábado pediram mais bloqueadores neuromusculares ao Governo do Amazonas.

 

A Secretária de Estado de Saúde do Amazonas confirma que no mesmo sábado que o município pediu o sedativo, eles o receberam. Nesta terça-feira (23) uma força-tarefa vai à Parintins verificar o que está acontecendo no sistema de saúde do município.

Parintins já registrou mais de 8,2 mil casos da doença e 260 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.

Veja vídeo:

 

 

Deixe seu comentário