Polícia investiga enfermeiros acusados de estuprar paciente na maternidade Moura Tapajóz

Manaus – Familiares de uma mulher atendida pela maternidade Moura Tapajóz, no bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus, no último domingo (2), acusam dois funcionários de terem violentado a jovem logo após ela ter dado à luz, quando ainda encontrava-se sedada, devido ao parto cesariano. Segundo o marido da vítima, que assistiu ao nascimento do filho, eles não perceberam a presença dele na sala, e chegaram a discutir sobre quem tocaria a mulher primeiro.

“ A equipe médica me convidou para assistir ao nascimento do meu filho. Logo após os procedimentos, minha mulher ainda estava inconsciente e todos saíram da sala. Esses dois funcionários entraram conversando sobre  futebol e rapidamente mudaram de assunto, falando coisas obscenas, como, quem iria tocá-la primeiro”.

 Apalparam minha esposa de forma covarde. Apertaram suas partes íntimas, colocaram os dedos lá, enquanto apalpavam as próprias genitálias”, finalizou.

Após presenciar o fato, o marido questionou os funcionários, perguntando o que estavam fazendo com a esposa dele. A presença do marido na sala assustou a dupla. Ainda de acordo com o esposo da vítima, os dois saíram da sala e retornaram minutos depois, quando, enfim, efetuaram a assepsia da paciente.

“Quando eles voltaram, já procederam de forma profissional, com os materiais necessários para fazer a limpeza da minha esposa, mas isso não apaga o que aconteceu antes”, completou.

O caso foi registrado no 8º Distrito Integrado de Polícia (Dip), que também fica no bairro Compensa, na última-terça-feira (4).De acordo com o delegado Titular, Demétrius de Queiroz, a maternidade será oficiada para que identifique os responsáveis pelo estupro.

Segundo o delegado, os suspeitos podem ser indiciados por estupro de vulnerável, já que a vítima estava inconsciente e sem chance de defesa. A pena pode variar de 8 a 15 anos de prisão.

“Assim que tivermos os nomes dos envolvidos, vamos chamá-los para apurar a situação. Se for confirmado que houve crime, pediremos a prisão preventiva deles”, afirmou.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), em nota, os funcionários foram afastados e uma sindicância vai apurar as denúncias. Também serão oferecidos o direito de defesa a ambos e, caso comprovada o crime, serão punidos.

Com informações Em Tempo

ver mais notícias