Incêndio no galpão desativado do antigo "Sukatão" na Praça 14 em Manaus

Manaus – Um incêndio de grandes proporções destruiu um caminhão, combustíveis e materiais antigos, que estavam guardados dentro de um galpão desativado do antigo “Sukatão”, na Rua Emílio Moreira, Centro da capital, na manhã deste sábado (13). A suspeita é de incêndio criminoso, conforme informações do representante da empresa, Eliomar Fontes.

O fogo começou por volta das 5h45, segundo moradores da área. O corpo de bombeiros foi acionado às 6h43 e precisou usar 54 mil litros de água para controlar o incêndio. A ação contou com 24 homens dos bombeiros em oito viaturas. Ninguém saiu ferido.

 

Veja o momento do incêndio, gravado por populares:

 

De acordo com o tenente coronel do Corpo de Bombeiros, Afonso Garcia, o fogo destruiu a cobertura de alumínio do prédio e toda a estrutura de ferro caiu em cima dos materiais que eram guardados no depósito. “Além de materiais combustíveis, tinha também um ônibus que estava lá para manutenção. Em detrimento da propagação ele entrou em combustão também”, disse.

O funcionário público Walter Nogueira, 60, contou que acordou por volta das 6h, com vizinhos batendo no portão da casa para informar sobre o incêndio. “Quando abri a portão só vi as chamas que estavam muito altas e os vizinhos pedindo ajuda. O medo era porque ao lado do galpão tinha uma casa de madeira”, disse.

As causas do incêndio ainda serão investigadas por meio de um inquérito policial, mas o representante da empresa acredita que o incêndio pode ter sido criminoso, já que o depósito não tinha instalação elétrica, e era constantemente invadido por invasores que moram próximo ao local.

“Há um ano, os moradores da parte de trás do galpão começaram invadir e tivemos que murar. Não havia elétrica no galpão e por isso acreditamos que foi criminoso. O galpão não estava arrombado, mas o portão que dá acesso pela lateral estava quebrado”, disse.

Segundo o representante da  empresa, ainda neste sábado, ele iria registrar um Boletim de Ocorrência (BO), para que a Polícia Civil (PC) investigue o caso.

Informações e vídeo do Portal  D24

ver mais notícias