Rio tem 150 pontos em que imagens de atletas serão ofuscadas pela beleza natural

RIO — Preparar, apontar, fogo. No dia 6 de agosto, quando uma prova de tiro, no Complexo Esportivo de Deodoro, der início às competições olímpicas no Rio, às 8h30m, os olhos do mundo estarão voltados para a cidade, que também sediará, na mesma manhã, o ciclismo de estrada que será disputado na orla, do Forte de Copacabana à paradisíaca Praia do Pontal. O desempenho dos atletas, é claro, vai ser o principal. Mas não é só. Com vocação para protagonista, o Rio também vai sair bem na foto. Os 1.600 fotógrafos credenciados para os Jogos estarão posicionados em lugares estratégicos, já selecionados por profissionais do Comitê Rio-2016, para captarem as melhores imagens dos esportistas e, de quebra, da paisagem.

— Meu trabalho foi planejar, olhar todo o percurso, fotografar e indicar mais ou menos em que pontos os fotógrafos estrangeiros devem se posicionar para ter um fundo bonito, imagens icônicas da cidade — explica Ivo Gonzalez, diretor de fotografia do Comitê Rio-2016. — No ciclismo de estrada, por exemplo, logo depois da largada, os competidores vão seguir em direção à Barra pela Avenida Vieira Souto, em Ipanema, que tem um ângulo belíssimo do Morro Dois Irmãos, cheio de coqueiros. Estou animado para que essa foto seja espalhada logo cedo por todo o mundo porque as pessoas vão dizer: “Olha, isso é Rio”.

Cerca de 150 pontos foram escolhidos

Para a empreitada, Ivo, que cobriu as cinco últimas Olimpíadas como fotógrafo, teve a ajuda do diretor de fotografia dos Jogos de Londres (2012), o britânico Bob Martin. Juntos, eles montaram uma logística para facilitar o deslocamento dos profissionais ao longo das provas.

— No caso do ciclismo de estrada, disponibilizaremos vans para os profissionais se movimentarem pelo circuito, que é bem longo (237,4 quilômetros), e pegarem os melhores visuais. Já na Lagoa, onde será realizada a prova de remo, barcos estarão à disposição daqueles que quiserem fazer fotos do lado oposto, tendo como fundo a Pedra da Gávea — exemplifica Ivo, que escolheu os pontos (os 150 “mais fotogênicos”) durante os eventos-teste das modalidades.

Outra aposta do diretor de fotografia da Rio 2016 para uma boa foto são as competições de vela, que partirão da Marina da Glória:

— O iatismo vai ser uma coisa espetacular. A raia que fica bem em frente à Praia de Copacabana é maravilhosa. Você vê Copacabana com os prédios, as montanhas, o Cristo. É uma marca registrada.

Para ter certeza de que os fotógrafos estrangeiros, principalmente os que nunca estiveram no Rio, vão conseguir captar os melhores ângulos da cidade, Ivo dará um workshop no dia da cerimônia de abertura dos Jogos, em 5 de agosto, a todos os credenciados. Ivo conta que a Olimpíada do Rio será pioneira em fornecimento de tecnologia.

— Esta será a primeira Olimpíada em que os fotógrafos terão cabos de internet gratuitos para transmissão em alta velocidade em algumas posições de foto. As imagens poderão ser transmitidas para o mundo quase que em tempo real — destaca Ivo, que acredita que o Rio também será inovador em outro quesito. — Esses vão ser os Jogos mais bonitos. Temos visto grandes Olimpíadas, como a de Pequim (2008) e a de Londres, que tiveram excelentes estruturas. Nós também estamos muito bem, mas o que fará a diferença será a paisagem da cidade, afinal moramos num dos lugares mais bonitos do mundo.

Com a experiência de quem cobriu as últimas nove Olimpíadas, o fotógrafo americano Matthew Stockman, da agência de fotos Getty Images, concorda com Ivo:

— O Rio é muito fotogênico. Os lugares das provas foram muito bem planejados. Os organizadores souberam tirar vantagem das belezas naturais da cidade. As partidas de vôlei de praia serão realizadas num dos lugares mais famosos do mundo, Copacabana. O remo, na Lagoa. E o Rio tem vantagem de os lugares das provas não serem tão espalhados, como em outras cidades em que eu estive.

Não é apenas através de fotos que muitos estrangeiros vão se maravilhar. A Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav) estima que, durante os Jogos, o Rio receberá cerca de 500 mil turistas internacionais, além de 900 mil nacionais.

— Não existe nenhuma cidade no mundo que reúna tantos atrativos como o Rio. Tem as praias, o Pão de Açúcar, o Corcovado e a área do Pier Mauá, que foi revitalizada. Ainda temos o povo carioca, que é altamente receptivo e hospitaleiro — destaca Cristina Fritsch, presidente da Abav-RJ.

ver mais notícias