ONG fornece ‘manual de ocupação’ de escolas que ensina a parar o trânsito

RIO – Os estudantes que ocupam escolas da rede estadual do Rio, em protesto contra as más condições das unidades, estão recebendo um “manual de ocupação”. O material foi produzido pela ONG Casa da Juventude, que funciona no Rio, mas conta com integrantes que participaram da ocupação das escolas estaduais de São Paulo, em novembro do ano passado. O panfleto está disponível na página do movimento no Facebook. Segundo a Associação Nacional dos Estudantes Livres, dez escolas do Rio estão ocupadas. Até ontem, a Secretaria estadual de Educação confirmava apenas sete.

Entre os ítens do “manual de ocupação”, um deles ensina os estudantes a parar o trafego de veículos durante manifestações. Segundo o material, os alunos devem levar mesas e cadeiras das salas de aula para as ruas porque além de ajudar a bloquear a passagem dos carros, elas são o símbolo da luta estudantil. O panfleto também orienta os estudantes a fazer as manifestações em avenidas bastante movimentadas e, preferencialmente, entre as 6h e as 9h.

O “manual de ocupação” também orienta os estudantes sobre as ações que devem ser desenvolvidas nas escolas ocupadas. Segundo o material, eles devem realizar assembleias, praticar atividades culturais como saraus de música e teatro. Os estudantes também são incentivados a formar comissões encarregadas de cuidar da limpeza das unidades, da comida dos manifestantes e da segurança dos grupos acampados nas escolas.

A Anel informou hoje a ocupação das escolas Helber Vignoli Muniz (Faetec) em Saquarema, Clóvis Monteiro, no Jacaré e Irineu Marinho, em Duque de Caxias. Até ontem, a Secretaria de Educação confirmava a ocupação de mais sete escolas: Dr. João Nery, em Mendes; Matias Neto, em Macaé; Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador; Gomes Freire de Andrade e Heitor Lira; na Penha; Visconde de Cairu, no Méier e Euclydes Paulo da Silva, em Maricá.

ver mais notícias