Francisco Dornelles diz que o estado só tem verba para abastecer carros da PM até o fim da semana

RIO — Na semana decisiva para o Rio receber a ajuda federal de R$ 2,9 bilhões, o governador em exercício Francisco Dornelles faz o alerta: a segurança do estado está sob ameaça. Ele afirma que a frota da polícia pode parar porque não há dinheiro para a gasolina. “Só aguentaremos até o fim desta semana”, diz ele. Dornelles ressalta, no entanto, que o crédito extraordinário da União destinado à segurança pública para a Olimpíada sairá até quinta-feira. O dinheiro seria o suficiente para arcar com os custos da pasta por três meses. Hoje, a segurança do estado consome R$ 940 milhões por mês. O pagamento dos servidores, no entanto, continua indefinido. Mas já está batido o martelo sobre como o estado remanejará seus recursos após receber a verba do Planalto.

O socorro federal de R$ 2,9 bilhões será utilizado para pagar despesas da segurança pública. De que forma?

A segurança é prioritária, temos que cobrir os problemas da área. A frota da polícia corre o risco de parar. Conseguimos fazer uma ginástica financeira e só aguentaremos até o fim da semana. Ao ouvir o delegado que se queixou da falta de helicóptero em uma operação policial, me senti frustrado, mas dou toda razão a ele. O secretário (de Segurança, José Mariano) Beltrame está preocupado com os recursos da polícia. E não é só ele. São todos os secretários. Em casa que não tem pão, todos brigam, ninguém tem razão. O da Saúde (Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior ) chora no meu gabinete e, para mim, isso é muito penoso.

E o impacto da crise na Olimpíada do Rio? O senhor tem falado em riscos.

Sou otimista com relação aos Jogos, mas tenho que mostrar a realidade. Podemos fazer uma grande Olimpíada, mas se algumas medidas não forem tomadas, pode ser um grande fracasso. Tenho dito que, sem segurança e sem metrô, haverá dificuldades. Como é que as pessoas vão chegar aos locais de competições sem metrô? Como é que as pessoas vão se sentir protegidas na cidade sem segurança? Temos que dar a demonstração de que estamos equipando a segurança e com a mobilidade pronta para que as pessoas venham ao país.

A medida provisória para liberar o crédito não foi assinada ainda. O que falta?

Ainda está no prazo combinado, que é até o dia 30, quinta-feira. Considero que liberação da subvenção está certa. O governo federal não ia baixar uma medida se não fosse liberar.

E qual será a destinação dos recursos estaduais que poderão ser remanejados?

Saúde, metrô e barcas, além de pagamento de despesas atrasadas. O metrô está quase pronto. Falta pouco mais do que um quilômetro, mas estamos devendo mais de R$ 400 milhões para as empresas (responsáveis pelas obras). Elas já tinham prontas mais de 7 mil cartas de aviso prévio para demissão de funcionários. Só não deram continuidade porque fizemos mais uma ginástica. A situação da saúde é calamitosa. No caso das barcas, temos uma embarcação novinha parada, que não entra em operação por falta de pagamento.

Quanto ao salário dos servidores, parte desse remanejamento de recursos não vai para a folha de pagamento?

A folha de pagamento não tem nada a ver com o dinheiro que vai sair. Não posso mentir para os servidores. A segunda parcela não está definida ainda. Até terça-feira, vou ter um levantamento do que temos em caixa para pagar. O pagamento é obrigação nossa. Ter uma pessoa trabalhando o mês todo e não receber é uma forma de trabalho escravo. O funcionalismo do Rio é de bom gabarito. Nosso problema é a queda de arrecadação. Nós estamos vivendo para pagar a folha. Com exceção dos professores, que recebem em dia pelo Fundeb (Fundo da Educação Básica) e, ainda assim, estão em greve. Todos estão com atraso no governo. E digo, aumento, neca. Não tem dinheiro para isso.

O pagamento de salários para as forças de segurança está garantido com a ajuda do governo federal?

Temos que olhar os termos da nova medida provisória. O pessoal vai ser pago, mas temos que ver como. O salário tem que ser pago.

O que o senhor achou de o prefeito Eduardo Paes dizer que a Olimpíada não pode ser desculpa para a crise?

Cada um fala o que quer. Não sou candidato a mais nada. Então, podem jogar toda a culpa em mim. Quero que Paes ganhe a eleição. Ele está fazendo uma grande administração. Se tudo o que ele fala é para ajudar na eleição, então estou de acordo.

As secretarias estão demorando a apresentar os cortes?

Não. O decreto que fiz diz que os cortes devem começar no dia 1º de julho, mas ainda assim já estamos agindo.

Como está a relação com o Judiciário e o Legislativo diante da crise?

Em plena harmonia.

E passados esses três meses da ajuda federal, o que será do estado?

O pacto é para a Olimpíada. Depois a gente vai ter que pensar.

A Cedae será privatizada? A venda é uma imposição do governo federal?

Não houve imposição do governo federal. Privatização da Cedae é um nome fantasia. Ninguém pensa em privatizar a Cedae. Nunca se pensou em privatizar Petrobras e, sim, quebrar o monopólio. Há grupos técnicos que defendem que, para estimular o investimento no estado, a Cedae poderia conceder à iniciativa privada a exploração de água, como fazem hoje Niterói, Petrópolis e Resende.

Há resistência para isso?

Há posições diferentes. A vitória sangrenta é sempre burra. A derrota sangrenta é mais burra ainda. Tem que se fazer isso dentro de um clima de consenso. A Cedae tem que compreender que certas concessões são mais vantajosas do que ela explorar sozinha. A companhia receberia o dinheiro e poderia aplicar em outras áreas. Mas não há unanimidade.

Além da queda do preço do petróleo, o que fez o Rio chegar a esta situação?

O pior problema chama-se Previdência. Muitos se aposentam muito cedo, e temos quase o mesmo número de servidores ativos e inativos. Houve reajuste salarial. Muitos ganharam o aumento e se aposentaram. Fomos obrigados a aumentar muito o número de policiais, de professores… O estado contou com uma economia crescendo entre 3% e 4%, quando foi o contrário. Não se pensou que a cadeia de petróleo fosse despencar.

Como está o governador Pezão?

Parece tão bem que digo a ele: “Pezão, acho que você está enganando a turma”. Nessa hora difícil do estado, você está mesmo se escondendo da gente.

E o senhor? O que achou de enfrentar essa crise à frente do governo?

Para mim foi um abacaxi. Eu já tinha decidido encerrar a minha minha carreira política. Não quis concorrer ao Senado e só aceitei disputar a vice porque achei que seria como o Marco Maciel (vice-presidente de Fernando Henrique Cardoso), só assumindo de vez em quando. De repente, caiu essa bomba nas minhas mãos.

ver mais notícias