Fotos em rede social mostram supostos problemas em obras das Olimpíadas

RIO – Fotos feitas por um morador da base de uma das colunas de uma passarela da futura estação do BRT que leva ao Complexo Olímpico, em Jacarepaguá, e publicadas em seu perfil no Facebook, traduziram o receio de cariocas com a segurança das obras para as Olimpíadas. Elas mostram uma coluna aparentemente torta deixando à mostra um conjunto de parafusos que a prendem na base de concreto. As fotos, publicadas às 19h55m do dia 26, teve, até as 12h17m desta quinta-feira, 22.126 compartilhamentos na rede social.

As imagens foram registradas pelo analista de sistemas Marcio Vieira e repercutiram rapidamente. Na manhã do dia seguinte, já havia 3.200 compartilhamentos. Um amigo dele postou o seguinte alerta: “Márcio, isso é sério, ainda mais nas vésperas das olimpíadas. Vamos divulgar até chegar às autoridades com responsabilidade, pois as competentes já não fizeram sua parte”.

Outra internauta alerta: “Vamos divulgar. Se não, daqui a pouco, é mais um que vai cair”, disse ela referindo-se ao trecho da Ciclovia Tim Maia que desabou ao ser atingido por uma onda no dia 21. Outro amigo publica uma crítica: “É nisso que dá, a empresa que constrói é a mesma que fiscaliza.”

Em outro conjunto de fotos das obras do Parque Olímpico, Marcio Vieira destaca uma fenda descoberta na mesma passarela. Ele comenta: “Entra um pé aí”. Ele explicou que publicou mais fotos no Facebook a pedido de seus amigos.

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Obras (SMO) informou que a passarela não está aberta a pedestres e que ainda serão feitos ajustes.

“A passarela do Terminal Olímpico, retratada nas imagens, foi fixada de maneira provisória – justamente para que fosse possível verificar os pontos que necessitam de ajuste”, diz um trecho da nota. A estrutura ainda será nivelada pelo órgão. Vale frisar que a mesma não está liberada para o uso de pedestres, sendo utilizada apenas para a execução de serviços como implantação de guarda-corpos, verificação de encaixes para parafusamento e pontos de corte dos excessos pela obra. Somente após esses acertos a estrutura será finalizada e liberada para o tráfego comum. Por fim, a SMO salienta que está fiscalizando as ações da empresa executora da intervenção, responsável por todas as medidas de segurança e implantação da passarela”, conclui a nota.

ver mais notícias