Cortes na Faperj podem prejudicar pesquisas sobre zika, diz diretor

RIO – O diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Jerson Lima Silva, disse que tem medo de uma “fuga de cérebros” do estado por causa dos cortes de 50% que devem ser feitos no orçamento da instituição. A afirmação foi feita na manhã desta quarta-feira, enquanto o diretor participava de audiência pública na Alerj para discutir os efeitos desses cortes sobre a rede de pesquisa do virus zika comandada pela Faperj.

— A rede vai ficar acanhada. Estamos garantindo os recursos iniciais mas eu não sei se para o futuro a gente vai conseguir, já que é uma doença sobre a qual ainda temos mais perguntas do que respostas — disse.

A Faperj é a maior responsável pelas pesquisas sobre zika no Brasil, com parcela de 35% de tudo o que é desenvolvido no país, e dá apoio a mais de 400 pesquisadores na área apenas no Rio de Janeiro.

— Temos que agir rápido para não perder talentos tanto para outros estados quanto para outros países — afirmou o diretor.

Desde 2007, a Faperj investiu R$ 36,1 milhões em pesquisas sobre o zika vírus mas, com os atrasos de repasses, houve uma queda brusca do montante gasto em 2015, que atingiu apenas R$ 676 mil, contra R$ 5,3 milhões em 2014. Para cobrir os atrasos e manter a pesquisa em 2016, segundo Jerson, são necessários R$ 12 milhões, valor que deve ser alocado para cobrir o último edital aberto pela instituição no fim de 2015 para pesquisas sobre zika, mas que não está garantido se o corte de 50% do orçamento da instituição, anunciado pelo governador Luiz Fernando Pezão, for efetivado.

— A rede está sendo montada oferecendo o custeio das pesquisas, mas os laboratórios têm equipamentos muito caros, que precisam de manutenção. Nós vínhamos muito bem até 2014, com vários editais, mas se tudo isso começar a desmontar, tem duas consequências: primeiro que as pesquisas param, segundo que para montar toda essa estrutura novamente pode levar mais 10 ou 20 anos.

(Estagiário, sob supervisão de Leila Youssef)

ver mais notícias