Corpo de Ryan será enterrado na tarde desta terça-feira

RIO – O corpo do menino Ryan Gabriel, d8e 4 anos, morto após ser atingido por uma bala perdida na porta da casa do avô no Morro do Cajueiro, em Madureira, no domingo, será sepultado na tarde desta terça-feira no Cemitério de Irajá. Ele foi baleado quando brincava no local, momento em que teve início um tiroteio entre traficantes do Cajueiro e do Morro da Serrinha, que tentam tomar o comércio de drogas na comunidade.

O policiamento foi reforçado na região. Na manhã desta terça-feira, policiais militares patrulham o entorno do Morro do Cajueiro e as estações danificadas durante um quebra-quebra ocorrido na tarde de segunda-feira após o anúncio da morte da criança, que foi levada para o Hospital Estadual Getúlio Vargas.

Um carro da Polícia Militar está parado em frente à Estação Vila Queiroz, que foi incendiada durante protesto de moradores. Os policiais chegaram às 8h30m e disseram que não tem hora para deixar o local. O clima é de aparente tranquilidade no local. Há poucas pessoas na rua. Funcionários de manutenção do consórcio BRT estão limpando a estação.

Aline Souza, auxiliar de serviços gerais, moradora na Rua Antônio dos Santos, que fica bem em frente à estação, lamentou o tumulto.

– Quando cheguei do trabalho já estava queimando tudo. Foi uma pouca vergonha. Destruir um patrimônio que sai do nosso bolso. Agora, a gente vai precisar andar 20 minutos até Vaz Lobo para pegar o BRT. Isso é coisa de vândalo. Está todo mundo com medo.

Bruno Rodrigues, promotor de vendas, trabalha na Ilha do Governador e pegava o ônibus todos os dias na estação. Ele também criticou.

– Fou horrível. Minha mulher está grávida e estava em casa sozinha. Ficou assustada. É um absurdo perdermos o direito de ir e vir em segurança.

Nesta terça-feira, segundo o consórcio BRT, a operação no corredor Transcarioca segue normal, com exceção das estações Otaviano e Vila Queiroz, que estão fechadas em razão da destruição ocorrida na segunda-feira durante o protesto de moradores do Cajueiro. O consórcio divulgou os prejuízos com o quebra-quebra: R$ 900 mil com o incêndio de um ônibus articulado; R$ 350 mil com o incêndio da Estação Vila Queiroz; o valor dos prejuízos com a depredação da Estação Otaviano ainda estão sendo calculados, de acordo com o consórcio BRT.

A Estação Otaviano recebe uma média de 700 passageiros por dia. A alternativa para os usuários é procurar a Estação Mercadão, localizada a 500 metros de distância. Já a Estação Vila Queiroz atende em média a 600 passageiros por dia. Para estes, a alternativa é embarcar na Estação Vaz Lobo, localizada a 540 metros de distância.

ver mais notícias