Após quase ficar sem passaporte, Lorrayne embarca para representar o Brasil na Olimpíada de Neurociências

RIO – Depois de muita luta e uma torcida que começou no colégio Pedro II onde estuda, e se espalhou pela rede, a estudante Lorrayne Isidoro, de 17 anos, embarcou finalmente hoje para Copenhague, na Dinamarca, com a mãe, Estela Mereilles Isidoro, onde representará o Brasil na Olimpíada Internacional da Neurociências 2016. O pai, Jorge Cabral, e as irmãs Diorrayane, de 16 anos e Shetllen, de 9 anos, acompanharam as duas até o portão de embarque do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão – Tom Jobim, em uma despedida marcada pela emoção:

— Ela é uma menina muito determinada. Eu estou muito emocionado porque ela decidiu e realmente conseguiu chegar lá. Eu acredito que ela vai trazer a medalha de ouro — disse orgulhoso seu Jorge.

Segundo ele, só mesmo a filha Sterlyen, de 14 anos, não foi ao aeroporto:

— Ela está estudando para uma prova no Pedro II por isto não pôde vir — afirmou o pai que ficou com a missão de cozinhar e cuidar das filhas durante a curta ausência da mãe;

— As provas são nos dias 1 e 3. Nestes dias, eu vou ficar conectado junto com ela, torcendo. No dia 4 é o encerramento, mas elas ficam lá ainda no dia 5 para aproveitar um pouco e voltam no dia 6. Estarei aguardando ansiosamente o retorno aqui no Rio de Janeiro.

Diferente de outros dias em que se mostrava muito calma, Estela confessou nervosismo na hora da partida e se emocionou ao se despedir do marido e das outras filhas.

Nervosa com a aproximação do voo, a mãe afirmou que espera agora de a filha aproveite a viagem pela qual tanto lutou.

— A expectativa é bem grande e emocionante. Estamos prestes a viajar o coração começa a palpitar mais forte, a gente começa a chorar um pouquinho, mas a satisfação está em saber que ela vai se divertir — afirmou a mãe.

Depois de conseguir vencer a etapa brasileira da Olimpíada de Neurociência, ter o apoio inclusive financeiro do Colégio Pedro II que custeou a passagem e a estadia da jovem, e ainda conseguir uma vaquinha na internet para levar a mãe, a jovem Lorrayne ganhou também o apoio de mais de 70 mil internautas, quando a emissão de seu passaporte atrasou por um problema na Casa da Moeda. Mesmo com todas as dificuldades vencida, a estudante mantinha até a hora da partida a mesma serenidade adulta que demonstrou durante todo o tempo, desde que decidiu participar da olimpíada. Perguntada sobre qual lugar ela queria conhecer na Dinamarca, Lorrayne agiu como menina:

— Quero conhecer o Tivoli park – respondeu a estudante, se referindo a uma das maiores atrações turísticas de Copenhague.

ver mais notícias