Suspeito de integrar um grupo de extermínio é executado ao sair do Pé de Serra João de Barro em Manaus (Vídeo com Imagens fortes)

Corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico Legal. Caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios.

 

Um homem foragido da Justiça, e suspeito de integrar um grupo de extermínio que prestava serviço para o narcotraficante “João Branco”, da facção criminosa Família do Norte (FDN), foi executado com um tiro na cabeça no início da manhã deste domingo (12), quando saía de uma casa de show na avenida do Turismo, no Tarumã, na Zona Oeste da capital.

Por volta das 5h20, segundo a polícia, Thiago Alves Abrantes, 25, saiu a pé da casa de show acompanhado por duas mulheres, identificadas como Sabrina Seabra e Emily, quando dois carros nos modelos Civic e Ethios pararam no local e vários homens que estavam dentro do carro atiraram contra a vítima. As mulheres não se feriram.

Depois dos disparos, os atiradores seguiram nos veículos. Cerca de 100 metros à frente, os mesmo carros pararam novamente e os homens atiraram contra Júlio Gabriel Ramos, o “Julinho”, e outro homem identificado como “Ratinho”. Júlio foi atingido com um tiro que perfurou o pescoço e saiu pela face. Ele foi hospitalizado e depois liberado. O outro homem não foi atingido.

Grupo de extermínio

Thiago foi preso em 2015 com mais seis homens por suspeita de integrar um grupo de extermínio que prestava serviço para o narcotraficante “João Branco”, da facção criminosa Família do Norte (FDN). À época, as investigações do Departamento de Narcóticos (Denarc) apreenderam junto com o grupo dinheiro, submetralhadora, pistolas e munição que eram usadas para executar desafetos do líder.

Foragido do CDPM

De acordo com informações da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), Thiago Alves Abrantes também era foragido do sistema prisional do Amazonas. Ele havia fugido do Centro de Detenção Provisório Masculino (CDPM), localizado no Km 8 da BR 174, no dia 2 de maio de 2016, junto com outros 39 internos.

Investigações

O homicídio de Thiago foi registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), que deve investigar o caso. Até o momento da publicação desta matéria, nenhum suspeito de matar Thiago havia sido identificado ou localizado.

Com Informações A Crítica
ver mais notícias