‘Sucatearam a UEA’, diz Amazonino

Criador da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), o ex-governador Amazonino Mendes (PDT) lamentou, neste sábado (8), a atual situação financeira da unidade superior de ensino. A instituição corre o risco de fechar 210 salas de aula no ano que vem, após perder recursos que totalizam o montante de R$ 115 milhões, em 2016. “Estão sucateando a UEA. Reduziram os recursos da UEA. Ela se encontra em estado pré-falimentar. Isso é um absurdo”, frisou.

Amazonino disse que a partir de setembro irá criar uma medida administrativa para impedir “ataques” contra a primeira universidade estadual do país. “Um candidato a governo, que estava no governo, amputou as receitas da UEA. Começou a cortar! Embora, eu estivesse feito uma vacina. Eu vou voltar, e vou recolocar a UEA, revacinar desta vez, de forma inatingível, inatacável”, declarou.

O ex-governador chamou a atenção dos amazonenses para assegurar que não deixará fechar a instituição. “Eu amo a UEA. A UEA é o futuro para você que é jovem, para você que é pai ou mãe. Para o futuro do seu filho. A UEA não morrerá, confie”, disse. 

Sonho 

A universidade foi criada em janeiro de 2001, no terceiro mandato do ex-governador Amazonino. O líder da coligação “Movimento pela reconstrução do Amazonas” disse, durante a campanha eleitoral, que o atual modelo da instituição precisa ser reestruturado. “O sonho que sonhei lá atrás não atende as necessidades da Amazônia. A UEA foi pensada para atender as necessidades da capital e, principalmente, do interior do Estado. Do jovem interiorano que não tem tanta oportunidade. Vou melhorar o atual modelo”.

Desde a sua criação, cerca de 49 mil alunos foram diplomados na universidade, com cursos de graduação e pós-graduação. A instituição está presente em 58 cidades do Amazonas.

 

ver mais notícias