Prefeito Arthur mostra firmeza, critica o ministro do STJ, detona com Melo e diz: " não reajusto a tarifa de ônibus nem pelos mortos"

O prefeito da capital, Arthur Neto (PSDB), reafirmou: “Nem se meu pai e minha mãe descessem, juntos, eu diria: quero abraçar e beijar vocês muito, mas não vou reajustar a tarifa”.

A afirmação foi feita na manhã desta terça-feira, dia 24, em entrevista ao vivo à rádio Difusora.

Arthur, diante de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de autorizar o aumento da passagem de R$ 3 para algo em torno de R$ 3,50, foi enfático:

“Não há força humana que me obrigue a dar um reajuste de tarifa. Ninguém. Se acontecer uma decisão judicial, eu não vou acatar. Com clareza”, afirmou, complementando que ação na Justiça é “fofoca, pura perda de tempo”.

O prefeito tucano também criticou o ministro Francisco Falcão, do STJ, que assinou a liminar favorável aos empresários:

“Sinceramente, conheço muita gente lá, mas não o conheço. Só conheço uma coisa ruim: o ministro tá meio complicado com essa história de obstrução de Justiça na Lava Jato (operação do Ministério Público e Polícia Federal), uma coisa meio chata”.

Considerou a liminar uma intromissão do ministro. E complementou a crítica: “Ao invés de cuidar dele, de se explicar pra manter a respeitabilidade, foi se intrometer nessa coisa de tarifa. Não entendo. Tanta coisa importante, vão se preocupar com uma coisa que tem como poder concedente, com clareza, o prefeito de Manaus”.

Perguntado se não temia ser preso por desobedecer ordem judicial, Arthur relembrou tempos de militância para dizer, em tom de brincadeira que “já tem uma valise prontinha em casa”.

“Só não me coloquem na cela do Adail (Pinheiro, ex-prefeito de Coari, denunciado por ex-parceiro de prisão de violência sexual). Eu seria obrigado a dar uns tapas no Adail se ele viesse com besteira comigo”.

O prefeito voltou a criticar o Governo do Estado porque não teria cumprido sua parte no compromisso de repassar subsídio para as empresas de ônibus manter a atual tarifa.

“É um compromisso assinado. A gente percebe manobras protelatórias. Então, como é que eu estou em dia? Eu estou em dia, não estou atrasado em meu subsídio pra eles. Se não der, me digam. Vou fazer mais um sacrifício, vou pagar as duas cotas, tanto a minha quanto a do Governo do Estado”, afirmou.

Contúdo BNC http://bncamazonas.com.br/2016/05/24/arthur-desafia-ministro-do-stj

ver mais notícias