Pesquisa aponta Eduardo Braga com 20,1% de intenções de voto para governo do Amazonas e Artur Virgílio seria o mais votado para o Senado

Pesquisa divulgada pela empresa Pontual monstra um panorama da eleição do próximo ano no Amazonas.

Para governo, foram incluídos 08 nomes na pesquisa, sendo: Artur Neto, Amazonino, Eduardo Braga, Henrique Oliveira, Marcelo Ramos, Rebeca Garcia, Serafim e Josué Neto. Este quadro foi composto para a 1º rodada de monitoramento, na próxima pesquisa, talvez, vamos incluir outros nomes.
O quadro de nomes que irão disputar o governo do Amazonas em 2018, ainda sofrerá mudanças, por isso, a necessidade de monitorar o desempenho de possíveis candidatos. Assim, vamos compreender o comportamento das intenções de votos, e identificar os nomes que resistem com densidade eleitoral na capital. Diferente de outra ‘’empresa’’ que divulgou pesquisa para governo e Senado de 2018, não realizamos entrevistas por telefone. Nós, da Pontual, só realizamos pesquisas face a face, ou seja, vamos para as ruas entrevistar eleitores das 06 zonas da cidade. Pois, sabe se que empresas que realizam pesquisas por telefone, continuam com ‘’Perspectivas’’ erradas, e acabam destoando da realidade presente na cabeça do eleitor.

No cenário para governador do Amazonas, Eduardo Braga aparece na frente com 20,1% das intenções de votos, seguido por Marcelo Ramos com 12,2. Após Braga e Marcelo, Rebeca Garcia apresenta 8,3%, Serafim 8,2% e Artur Neto com 7,7%. Em outro pelotão, aparece Amazonino com 5,7%, Henrique Oliveira com 5,6% e Josué Neto com 3,5%.
Das 783 pessoas entrevistadas nas 06 zonas da cidade, 15% responderam estar indecisas diante dos nomes apresentados e outros 13,7% afirmaram não votar em nenhum dos candidatos.

Descrição dos resultados da seção 02:

Senador do Amazonas em 2018
Para vaga de Senador, Artur Neto e Eduardo Braga apresentam empate técnico, Artur 17,2% e Braga com 15,5%. Após, Artur e Braga, Rebeca Garcia empata Vanessa Graziotini, ambas com 12,1% das intenções de votos. O atual governador José Melo, alcançou 8,6%, na frente de Amazonino Mendes com 5,2%.
Atrás, vem Alfredo e Pauderney, ambos com 1,7% da preferência do eleitorado. Do total de entrevistados, 20,7% disseram não votar em nenhum dos candidatos e 5,2% afirmaram estar indecisos diante dos nomes apresentado na pesquisa.
Discussão dos dados por Eric Barbosa

Eduardo Braga, apresenta 20,1% para Governo e 17,2% para Senado. Um nome considerado uma liderança política, porém, para quem saiu de uma chapa vencedora para prefeitura de Manaus, esperava maior força eleitoral. Talvez, já seja reflexo de escândalos e citações evidenciados em telejornais. Braga tem tempo para decidir, viável era ter mínimo de 40% das intenções de votos, para assim tomar uma decisão segura de trabalhar seu caminho ao governo do Amazonas. Como não tem, poderá certamente optar por uma vaga ao Senado, obtendo cerca de 50% dos votos para 01 das vagas. Braga não pode ficar sem mandato! Seria suicídio político, o que fazer? Arriscar o governo, ou tentar com maiores chances o Senado? Só o tempo dirá…

Marcelo Ramos, não é dono da totalidade de votos que obteve no último pleito, os votos foram um resultado de grupo. Tem um forte recall, na preferência do eleitorado, porém, para se viabilizar na disputa de governo, precisa de composição de grupo e viabilidade financeira. Se Alfredo Nascimento consegue composição para disputar uma das vagas para Senado, Ramos teria que compor como vice na chapa de apoio, Marcelo aceitaria? Ou seria seduzido com maiores chances para Deputado federal. Uma coisa e provável, não conseguira mais encabeçar uma chapa, ou composição de grupo para disputar o governo.

Artur Neto, destaco as seguintes considerações:
1. Tem uma identificação muito forte com a figura de Senador com eleitorado, está na categoria de discurso de ‘’Artur será um bom Senador, é mais o perfil dele’’.
2. Como disputar o governo? Artur tem aliança com Braga e Rotta como vice-prefeito. O pré-acordo de Bisneto como vice de Braga para governo, se tentar sonhar com governo, como viabilizar isso?. Braga não sairia para governo e apoiaria Artur?. Muitas perguntas e tempo para o atual prefeito pensar.
3. Artur, possivelmente é candidato em 2018 algum cargo, pessoas próximas ao prefeito relatam que especulação de não disputar nenhum cargo, são distrações para o momento, efeito da citação nas investigações. Direção nacional do PSDB, considera Artur candidato e coluna de captação de votos para candidato tucano à presidência.

Rebeca Garcia, tem uma densidade eleitoral determinada, porém depende de decisão e composição de grupo para se viabilizar em possível candidatura. 8,3% para governo e 12,1% para Senado, talvez seja o maior desempenho em período que antecede a eleição, vamos aguardar próximo resultado. Rebeca NÃO lidera disputa para Senado, conforme ‘’pESQUISA’ divulgada por outra empresa.

Serafim, talvez vai disputar o governo por direcionamento da nacional do seu partido. Ou não! Não apresenta desempenho satisfatório, intenções de votos se confundem como sua atuação como deputado. Serafim, tem sua força eleitoral, associada a alta rejeição para cargos majoritários.

Amazonino Mendes, um nome com carisma, mas não será candidato. No cruzamento de dados é possível perceber as seguintes considerações:
1. 50% Eleitor do Amazonino e acima dos 30 anos.
2. Concentração no eleitorado com nível de escolaridade em fundamental e médio, com renda salarial de 1 a 3 salários mínimos.
3. É apresentado como uma opção de voto, com força de memória, ou seja, está na categoria de discurso ‘’Amazonino fez, Amazonino fez, Amazonino fazia’’.

Vanessa Graziontin terá dificuldade de voltar ao Senado, 12,1% das intenções de votos dificulta. Se Eduardo Braga se direcionar para vaga de Senado, dificultará mais ainda.

José Melo, uma disputa para Senado depende muito de base nos municípios, historicamente tem sido o caminho natural dos governadores no Amazonas. Melo, deverá trabalhar se quiser alcançar uma vaga, um esforço concentrado para diluir mínimo de 20% do total de reprovação da sua gestão para regular positivo ou bom. Consegue? Vamos monitorando aprovação da gestão do governador e teremos essa resposta com exatidão!

Henrique Oliveira tem hoje o mínimo de 5% e máximo de 7% de intenções de votos na capital. Esse e o eleitorado do Henrique, mas o principal questionamento que deve ser feito. Quem poderá se tornar eleitor do Henrique? O vice governador precisaria se reconfigurar, voltar as estratégias necessárias para responder essa pergunta, e alcançar uma parcela do seu eleitorado que se dispersou. Pode ser uma opção de Melo, para assumir o governo? Seria difícil, para o próprio Henrique seria um desafio.

Alfredo Nascimento e Pauderney não apresentam desempenho satisfatório para disputa de Senado diante deste cenário.

Josué Neto, alcançou 3,5% das intenções para governo, vamos aguardar as próximas.

Todas as conjecturas apresentadas neste relatório, são embasadas nos dados desta pesquisa, ou seja, uma fotografia do momento. Daqui a 30 dias, vamos apresentar a 2º rodada testando cenário de Governador, Senador e Deputado Federal.
Acesse relatório completo abaixo.

ver mais notícias