Imóveis de Nejmi Aziz estão entre os bens confiscados pela juíza da 'Maus Caminhos'que investiga desvio milionário da Saúde

looks-dona-nejmi-1
Nejmi Aziz que tem fama de perseguir pessoas que contrariam sua vontade, usa funcionários para inventar ‘estórias’ cabulosas das pessoas que ela não gosta, faz BO em  nome de “laranjas” nas delegacias acusando pessoas de crimes que não existem, paga Blogs para falar mal e denigri a imagem das vitimas dela, monta páginas fakes no Facebook para distribuir veneno nas rede social com o nome de “rede solidária”,  agora é alvo de investigação da Policia Federal pelos bilhões desviados da saúde.Provas de que o luxo e glamour da mulher do Senador tinha um preço: A VIDA DE MILHARES DE PESSOAS MORRENDO EM HOSPITAIS NO ESTADO DO AMAZONAS. Enquanto isso a Mulher do Senador e colunável, pagava revista ‘Caras’, blogs semanais para divulgar o luxo que ostenta, gasta milhões com joias da marca Tifany, e não esconde que gosta de esbanjar com dinheiro público. A Ex-primeira dama está sendo investigada pela PF e deverá nestes últimos dias esclarecer para imprensa de onde vem seu bilionário patrimônio.

Em matéria do Portal Fato Amazônico os mistérios desse patrimônio começa a ser desvendados. Documentos bens-da-nejimi

Um terreno localizado na Rua 1, Lote 193, no loteamento Ephiegenio Salles, bairro do Aleixo, adquirido em nome da filha menor do senador Omar Aziz (PSD) que tem como representante a esposa do parlamentar Nejmi Aziz, aparece na lista de bens sequestrados por determinação da juíza Ana Paula Serizawa Silva Podedworny, da 4ª Vara da Justiça Federal do Amazonas, que em sua decisão determinou o sequestro dos bens dos investigados na “Operação Maus Caminhos”.

20161014130542nejmi_1

O lote, avaliado em R$ 2 milhões está entre outros seis imóveis que foram sequestrados por determinação da juíza Ana Paula que preside o processo da Operação Maus Caminhos e foi quem expediu todos os mandados cumpridos pela PF e também quem determinou o sequestro de bens dos presos,

Em documentos  a juíza federal pediu ao Corregedor-Geral do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargador Aristóteles Lima Thury, providências no sentido de determinar que todos os cartórios de registro de imóveis do estado informassem sobre a existência de imóveis em nome Mouhamad Moustafa, preso na “Operação Maus Caminhos” da Polícia Federal, acusado de comandar uma Organização Criminosa que desvio mais de R$ 110 milhões da Saúde do Amazonas.

bens-2 bens-1

Nesta sexta-feira, desembargador atendeu ao pedido da juíza Ana Paula Serizawa e determinou que todos os cartórios de registro de imóveis do estado informem sobre a existência de imóveis não apenas de Mouhamad Moustafa, como também de Karina Moustafa, Janaina Coutinho Moustafa, Priscila Marcolino Coutinho, Jennifer Nayara Yochabel Rufino Correa da Silva, Davi de Azevedo Flores, Alessandro Viriato Pacheco, Gilberto de Souza Aguiar e Antônio de Melo Marque.

Em seu despacho o desembargador determina ainda que os cartórios procedam a averbação de sequestro nas matrículas imobiliárias, com a prenotação da medida nos registros.

politica-nejmi-02-revista-25-01-15-600x400

Operação

Em conjunto com a Controladoria-geral da União e Receita Federal, a Polícia Federal do Amazonas deflagrou no dia 20 do mês passado a operação Maus Caminhos cujo objetivo é desarticular uma organização criminosa especializada no desvio de recursos públicos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas. A PF estima que ao menos R$ 112 milhões foram desviados da saúde pública amazonense.

Foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva, 04 mandados de prisão temporária, 03 conduções coercitivas, 41 mandados de busca e apreensão, 24 mandados de bloqueios de contas de pessoas físicas e jurídicas (aproximadamente 30 milhões), 31 mandados de sequestro de bens móveis e imóveis (aproximadamente 50 milhões), todos expedidos pela Justiça Federal do Amazonas.

Por meio de uma entidade social sem fins lucrativos, o Instituto Novos Caminhos (INC), do médico e empresário Mouhamad Moustafa, o grupo driblava os procedimentos licitatórios do setor de Saúde estadual e contratava empresas prestadoras de serviços utilizadas para desviar valores a serem investidos no atendimento à população. Somente nos últimos dois anos, o INC recebeu R$ 220 milhões do governo estadual. O montante representa quase 25% do total de recursos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas.

Matéria do Portal Fato Amazônico http://www.fatoamazonico.com/site/noticia/terreno-no-ephiegenio-salles-em-nome-da-filha-de-nejmi-aziz-esta-entre-os-bens-sequestrados-pela-juiza-da-maus-caminhos/

 

 

ver mais notícias